Sustentabilidade

O caso das compensações de carbono que visa zerar as emissões

As mudanças climáticas representam uma das principais consequências da Revolução Industrial. A liberação de gases de efeito estufa na atmosfera já está trazendo resultados catastróficos para o nosso planeta e seus habitantes. Embora o debate político em torno das mudanças climáticas em alguns casos não tem tem sido muito eficiente, estamos vendo a liderança corporativa através de empresas se comprometendo em zerarem suas emissões. A BHP diz que reduzirá as emissões operacionais de gases de efeito estufa em um terço até 2030 e deverá zerar até 2050. A Fortescue Metals se comprometeu com o net zero até 2040, e a produtora de petróleo e gás Cooper Energy acaba de anunciar que reduzirá todas suas emissões ainda este ano, compensando cerca de 10.022 toneladas de gases de efeito estufa.

Os negócios estão avançando à ação política para garantir um mundo livre de emissões de carbono até meados do século XXI. Para as empresas, definir e alcançar uma meta de sustentabilidade pode parecer assustador, mas compensações de carbono podem ser uma ferramenta crucial para começar a jornada.

Consideradas por alguns como “Limpeza verde” (uma folha de figo que atrasa reduções reais de emissões) as compensações de carbono podem e devem desempenhar um papel significativo na jornada para o net zero. Compensações de carbono garantem que o dinheiro seja direcionado a projetos sustentáveis, como o reflorestamento, e fornecem um incentivo econômico para continuar a reforma.

O primeiro passo crítico em uma jornada de redução de emissões é proclamar metas de sustentabilidade

Uma vez feita a declaração, pode haver progressos iniciais aumentando a eficiência energética através da digitalização e voltando-se para fontes de energia renováveis.

Exemplos incluem novas tecnologias elétricas para substituir processos emissores de carbono, empresas de transporte introduzindo veículos elétricos e desenvolvedores de propriedades convertendo seus edifícios em geradores de energia instalando painéis solares.

A maioria das empresas, no entanto, descobrirá que alguma quantidade de emissões é inevitável dada a tecnologia atual, ou o tempo necessário para implementar soluções. Compensações de carbono dão às empresas um impulso crítico para avançar em direção à neutralidade de carbono mais cedo. Eles também fornecem uma solução para as emissões residuais na ausência de opções viáveis de eliminação de emissões ou onde, como no caso das emissões do Escopo 3, a fonte de emissão não está diretamente em seu controle.

Apesar do debate sobre compensações, a maioria dos governos e ONGs, incluindo o World Wildlife Fund, apoiam compensações de carbono como um meio viável e crível para lidar com as emissões quando adquiridos como parte de uma estratégia holística de redução de emissões.

A respeitada Iniciativa de Metas Baseadas em Ciência (SBTi) em setembro de 2020 emitiu orientações atualizadas às empresas revertendo sua posição negativa anterior sobre compensações de carbono para apoiar seu uso por empresas com o objetivo de alcançar resultados net zero.

Com esse renovado interesse global em compensações de carbono, o Financial Times acaba de relatar um revigoramento do mercado internacional de compensação de carbono, citando compras de grandes empresas como a BP e o grupo de luxo francês Kering. No mês passado, o Google também anunciou que estaria livre de carbono até 2030.  E até lá, compensaria as emissões que não puder eliminar, incluindo as emissões históricas até sua fundação em 1998.

Um projeto de compensação de carbono pode incluir o plantio ou conservação de florestas, a captura de gás de aterros sanitários ou agricultura, ou a mudança para combustíveis menos nocivos. Ao comprar compensações de carbono, as empresas compensam suas próprias emissões pagando por projetos que tenham um impacto ambiental positivo – como a eliminação de poluentes, a melhoria da qualidade do ar e a conservação dos recursos naturais.

As compensações fornecem incentivos econômicos para projetos que reduzem as emissões de gases de efeito estufa e valorizam o custo ambiental da poluição de carbono que pode ser usado pelas organizações que incorporam um “custo de carbono” em seus processos de tomada de decisão.

Os passos para se tornar uma empresa net zerosão simples

  1. Estabeleça uma meta de redução de emissões de CO2.
  2. Crie um inventário de emissões do seu negócio e suas atividades.
  3. Reduza as emissões aumentando a eficiência, mudando para combustíveis de emissões mais baixos ou comprando eletricidade de fontes renováveis, como eólica e solar.
  4. E para as emissões que você não pode eliminar imediatamente, invista em atividades fora de sua organização que reduzam as emissões e reivindiquem essa redução para si mesmo através de compensações de carbono.

Na Austrália, as compensações de carbono são conhecidas como AccUs (Australian Carbon Credit Units, unidades de crédito de carbono) com cada unidade representando 1 tonelada de redução equivalente de CO2. As ACCUs só podem ser criadas por projetos credenciados pelo Regulador de Energia Limpa.

Outros programas de “certificados” de compensação de carbono existem globalmente, com alguns certificados internacionais também aceitáveis para reduzir as emissões sob o Padrão Australiano de Carbono Ativo Carbono Neutro.

Quando combinados com programas de eficiência energética e combustíveis de baixo carbono, as compensações de carbono fornecem uma solução econômica e confiável para que as organizações atinjam suas metas de redução de emissões e, portanto, tenham um impacto positivo na luta global contra as mudanças climáticas.

Interessado em saber mais sobre compensações de carbono e seu papel em trazer organizações à neutralidade de carbono? Baixe nosso whitepaper.

 

Este artigo foi publicado pela primeira vez na RenewEconomy. Para ler o original, clique aqui.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)