Sustentabilidade

Os inovadores quadros de média tensão sem SF6 melhoram a sustentabilidade da E.ON

Hoje em dia, todas as empresas de eletricidade têm presente a sustentabilidade. Vários estudos revelaram que tanto elas como os stakeholders externos à indústria acreditam que questões como as emissões e as alterações climáticas são uma prioridade. De facto, segundo o estudo «Uma nova era de sustentabilidade no setor dos serviços de utilidade pública», realizado pela Accenture, 92% dos diretores gerais deste setor sublinha que os temas relacionados com a sustentabilidade são importantes para o êxito futuro do seu negócio, e 96% afirma que a sua empresa implementará novas tecnologias para abordar estas questões.

Para alcançar estes objetivos, as empresas elétricas devem encontrar soluções que possam adaptar-se à rápida evolução da indústria e que incluam o desenvolvimento de operações mais rentáveis e respeitosas para com o meio ambiente. Para além disso, devem também abordar outras áreas de negócio que possam melhorar a sustentabilidade, como o aumento da digitalização e o apoio à crescente taxa de produção local e ao crescimento das necessidades emergentes, como a criação de infraestruturas de carregamento.

Os esforços para reduzir a pegada de carbono devem ir além dos métodos habituais – como o aumento da utilização de recursos renováveis –, assumindo assim um enfoque multifacetado, que inclua o incentivo à digitalização e aborde a sustentabilidade desde a perspetiva dos equipamentos, como a atualização, a adaptação e a adoção de novas tecnologias inócuas para o meio ambiente.

E.ON comprometida com a sustentabilidade

Por exemplo, a E.ON, o maior operador da rede de distribuição elétrica da Suécia, comprometeu-se com a adoção de inovações digitais e ambientais para preservar o meio ambiente, com o objetivo de alcançar 100% de energia renovável e reciclada até 2025. Evitar a utilização de SF6 é um importante passo rumo à sua meta de minimizar as emissões de gases de efeito de estufa.

O SF6 foi utilizado durante muito tempo pela sua fiabilidade no isolamento de dispositivos como os quadros ou a aparelhagem elétrica. No entanto, trata-se de um gás de efeito de estufa produzido pelo homem com um alto potencial de aquecimento global (GWP); de facto, 1kg de SF6 tem, em média, o mesmo impacto que 23.500kg de CO2. Contudo, os inovadores quadros elétricos de média tensão da Schneider Electric são agora capazes de substituir o SF6 por ar puro. O impacto ambiental desta tecnologia poderá marcar, rapidamente, a diferença.

Os quadros elétricos sem SF6 da Schneider Electric são uma alternativa de sucesso

A E.ON é um bom exemplo de como as empresas de eletricidade podem reduzir a utilização de SF6. Atualmente, iniciada a fase piloto, esta tecnologia digital alimentada por ar faz parte das subestações da sua rede de distribuição. Deste modo, a E.ON descobriu que os quadros elétricos sem SF6 da Schneider Electric são uma alternativa de êxito a este gás, pois cumprem os requisitos de segurança e sustentabilidade da empresa, apresentam vantagens económicas, são duradouros e respeitam o meio ambiente.

Tal como a E.ON demonstrou, o campo da energia sustentável oferece cada vez mais oportunidades para cumprir os objetivos ambientais, graças a uma tecnologia inovadora e ecológica capaz de proporcionar energia limpa e, ao mesmo tempo, de oferecer aos clientes uma solução rentável.

Descubra como a E.ON está a adotar a transição livre de SF6: leia o relatório completo.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)