Sustentabilidade

Combater a emergência climática com tecnologia de média tensão sem SF6

Imagine que eliminamos 100 milhões de veículos das estradas. Retirar esses 10% de veículos de passageiros reduziria as emissões de CO2 nuns impressionantes 350 milhões de toneladas por ano – e esta seria, sem dúvida, uma arma poderosa para combater a crise climática.

E se pudéssemos alcançar o mesmo impacto ambiental sem alterar o nosso quotidiano? É precisamente isso que podemos conseguir graças ao desenvolvimento e adoção da nova tecnologia de aparelhagem que permite às empresas de eletricidade e aos gestores de edifícios combater o aquecimento global e reduzir o seu impacto ecológico.

 

6 Razões para a Transição do SF6 para Ar Puro em Aparelhagem de Média Tensão

SF6 – o que é e onde se encontra?

Os sistemas elétricos utilizam aparelhagem, dispositivos de corte de circuitos que controlam o fluxo da corrente elétrica, parando-a ou iniciando-a entre os pontos A e B. Cada cela deve ser capaz de cortar as correntes elétricas e de se isolar para garantir um funcionamento seguro da rede.

Hoje em dia há mais de 30 milhões de unidades de aparelhagem de média tensão instaladas em todo o mundo que utilizam hexafluoreto de enxofre (SF6). O SF6 desempenha muito bem a sua função e é altamente fiável, pelo que é utilizado, e nele se confia, há décadas.

No entanto, o SF6 é um gás que provoca efeito de estufa e um dos responsáveis dos desafios climáticos que enfrentamos.

Qual é o impacto do SF6?

Pense no típico interruptor seccionador que faz parte de um quadro elétrico; este contém, em média, 1 kg de SF6. Esse quilograma tem o mesmo impacto que 23.500 kg de CO2, o que equivale a conduzir um carro durante 200.000 quilómetros – tendo em conta que um veículo normal emite cerca de 120g de CO2 por quilómetro.

As empresas de eletricidade podem liderar

As empresas de eletricidade representam 80% do mercado global de SF6, pelo que é lógico que assumam a liderança na hora de reduzir a utilização deste gás, adotando produtos mais ecológicos como uma aparelhagem sem SF6.

A nova tecnologia de celas de média tensão que utiliza corte em vácuo e isolamento de ar puro evita a utilização de SF6. Antes pensava-se que a aparelhagem com isolamento de ar para aplicações de média tensão era muito maior do que a que utilizava gás, mas isso mudou e hoje existem alternativas igualmente compactas e rentáveis, ideais para o contexto atual.

As soluções sustentáveis já existem e são mais necessárias do que nunca

A aparelhagem de média tensão sustentável reduz as emissões de gases de efeito de estufa, eliminando a necessidade de criar um novo gás que substitua o SF6 e evitando os problemas derivados da recuperação do gás no final do ciclo de vida do equipamento, da sua reciclagem ou de fugas.

Procurar alternativas sem SF6 é uma prioridade porque o consumo geral de energia continua a crescer e é esperado que cresça em 48% até 2040. Estudos demonstram que o incremento de emissões de SF6 se deve, fundamentalmente, à crescente procura de eletricidade por parte dos países em desenvolvimento, especialmente a China, o maior consumidor mundial deste gás. Ao mesmo tempo que cresce a nossa dependência numa eletricidade fiável, a forma como produzimos, distribuímos e utilizamos a energia também deve evoluir. A aparelhagem sem SF6 é parte desta evolução energética pois, quando comparada com a que utiliza gás, o impacto ambiental da rede elétrica é muito menor.

Limitar as emissões de gases de efeito de estufa e melhorar a sustentabilidade já são prioridades, tanto para as empresas como para as pessoas. Muitos estão já a implementar medidas para reduzir o seu impacto ambiental – com ações como reduzir o consumo de energia, reciclar ou conduzir menos –, e agora as empresas que utilizam tecnologias de média tensão contam com alternativas sustentáveis que lhes permitem reduzir as suas próprias emissões, escolhendo equipamentos ecológicos.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)