Sem Categoria

Vai uma Ajudinha: O risco de incêndio intrínseco às instalações elétricas e o arco elétrico

Na Europa, a cada três minutos começa um incêndio elétrico numa casa; e, apenas no setor residencial, as perdas causadas por este facto ascendem a cerca de 6.500 milhões de euros anuais.

No nosso setor, é sabido que a principal causa da aparição de incêndios elétricos é o arco elétrico e, ainda que as Regras Técnicas das Instalações Elétricas de Baixa Tensão recomendem a instalação de medidas para o evitar, em Portugal não há muito o costume de instalar este tipo de equipamentos, pondo em risco os habitantes dos edifícios e a própria instalação.

Que podemos fazer para prevenir os riscos do arco elétrico? É o que nos vai contar Luis Catalan, Channel Manager, neste novo artigo da série Vai uma Ajudinha, que publicamos especialmente para si, profissional eletricista.

O que é e onde ocorre o fenómeno do arco elétrico?

A existência de ligações defeituosas numa instalação pode levar à carbonização das conexões e da cablagem, efeito que causará um maior fluxo de corrente, aumentando as possibilidades de um incêndio.

Este efeito é o chamado aparecimento do arco elétrico. As suas principais e mais frequentes causas ocorrem, portanto, em situações nas quais as ligações e a cablagem da instalação se encontram deterioradas.

Estes são os principais pontos críticos do aparecimento de arcos elétricos:

  • Defeitos no isolamento do condutor provocados por elementos mecânicos, como pregos ou parafusos;
  • Esmagamento de cabos ou conectores por portas, janelas ou móveis que possam danificar o material;
  • Rompimento de cabos por raios de curvatura demasiado pequenos, ao ampliá-los numa instalação ou colocá-los em abraçadeiras de fixação demasiado apertadas;
  • Radiação UV e mordeduras de roedores, sobretudo em instalações ao ar livre;
  • Contactos e ligações soltas – por exemplo, ligações danificadas atrás de tomadas.

Por outro lado, o arco elétrico pode ser classificado de três formas diferentes, em função do motivo pelo qual é originado:

  1. Arco elétrico em série

    O arco elétrico surge entre fases e ocorre entre duas partes de um mesmo condutor. Considera-se que um incêndio pode começar a partir de uma intensidade de 2.5 A a uma tensão de 230 V para este caso. Este fenómeno não pode ser detetado pelas proteções convencionais, uma vez que não provoca curtos-circuitos nem derivações para terra.

  2. Arco elétrico em paralelo

    O arco elétrico surge entre a fase e o neutro de dois condutores diferentes. Este fenómeno costuma aparecer devido a danos no material isolante e, neste caso, o arco elétrico começa a 75 A, pelo que não representa um problema para as instalações residenciais.

  3. Arco elétrico de fase-terra

    Este tipo de arco elétrico surge em paralelo entre fase e terra. Este fenómeno aparece a partir de 5 A, podendo trazer problemas a todo o tipo de instalações.

Como funciona um detetor de arco elétrico?

Ainda que o arco elétrico, enquanto fenómeno, seja relativamente fácil de localizar e definir, não tem uma única característica distintiva e a sua deteção é especialmente complexa.

Assim, um dispositivo de deteção de falhas de arco elétrico (também conhecido como Arc Fault Detection Device – AFDD, em inglês) analisa constantemente diferentes parâmetros elétricos, como a intensidade e a frequência do circuito.

O sinal característico do arco elétrico destaca-se por ter uma maior duração do que o arco transitório e por gerar perturbações de frequência tanto baixa, como alta.

É importante entender que o fenómeno do arco elétrico não pode ser detetado por disjuntores magnetotérmicos (que protegem de curtos-circuitos e sobretensões), nem por disjuntores diferenciais (que protegem contra descargas), sendo apenas identificável pelos dispositivos específicos para a deteção de falhas de arco.

Dispositivos de deteção de falhas de arco Acti9 iC40N e Acti9 iCV40N VigiArc

Para evitar o risco de incêndios elétricos nas instalações, a Schneider Electric acaba de lançar uma gama de deteção e proteção contra o defeito dos arcos elétricos.

Os dispositivos Acti9 iC40N ARC incluem, num único mecanismo de dois módulos, proteção combinada contra sobrecargas e curtos-circuitos, para além da proteção contra defeitos de arco.

Para uma proteção avançada completa, a gama Acti9 iCV40N VigiARC oferece, para além disso, proteção diferencial super imunizada F-SI, juntando num único dispositivo compacto as funções de uma bobina contra sobretensões, um disjuntor automático, um disjuntor diferencial super imunizado e proteção contra o defeito de arco elétrico.

Imagem 0.2 – Imagem do disjuntor Acti9 iCV40 VigiARC que combina proteção diferencial super imunizada, proteção contra sobretensões, proteção automática e proteção e deteção contra arco elétrico.

Imagem do disjuntor Acti9 iCV40 VigiARC combinando protecção super-imunizada contra fugas de terra, protecção contra sobretensão, protecção automática e detecção e protecção contra falhas de arco.

Ambas as gamas não apenas protegem a instalação contra os defeitos de rede mencionados, como também informam de forma intuitiva sobre os defeitos que causaram o disparo da proteção.

Através do VISI-TRIP – a tecnologia patenteada de sinalização da Schneider Electric que indica, através de um indicador mecânico vermelho, o motivo do disparo –, para além de um LED de diagnóstico, é possível averiguar o motivo do disparo à primeira vista.

Da mesma forma, ambas as proteções dispõem do indicador VISI-SAFE, que regista os contactos positivos e indica a abertura completa de todos os polos.

Através das proteções de arco elétrico da Schneider Electric, agora pode dispor de, e proporcionar aos seus clientes, um sistema de proteção elétrica avançado compacto e integrado. Não apenas melhora a segurança, como também é fácil de gerir, para evitar interrupções do abastecimento elétrico e o risco de incêndio das instalações elétricas, seja em casas, edifícios terciários ou ambientes industriais.

Se quer saber mais sobre o defeito do arco elétrico, a sua deteção e proteção, deixamos-lhe aqui um breve tutorial sobre o tema.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)