ResidencialDecoração

Regras de iluminação de jardim para não errar no projeto

A iluminação de jardim é essencial para valorizar o ambiente externo, tanto no verão quanto no interno. Além de consolidar uma proposta estética, permite que os moradores aproveitem o espaço também à noite. Trata-se, portanto, de um processo com caráter útil.

Para conseguir os melhores resultados, é interessante conhecer as características específicas de um projeto do tipo. Especialista no tema, o arquiteto Renato Pavan traz algumas dicas para obter um desempenho que atenda às necessidades dos clientes.

A seguir, veja recomendações para elaborar projetos melhores e confira as orientações do profissional especialista na iluminação de jardins.

As particularidades da iluminação de jardim

Por se tratar de um ambiente fora de casa, é natural achar que o projeto precisa de uma atuação muito específica. No entanto, Pavan revela que as distinções são menores que o esperado. “No meu ponto de vista, não há diferença entre iluminação de interiores e de exteriores, se você pensar que o princípio básico para obter um bom resultado é considerar a função e o efeito de interesse. No projeto de iluminação externa, assim como no interno, é essencial avaliar a relação uso-efeito para atingir o impacto necessário”, pondera.

Ou seja, o grande objetivo da iluminação de jardim, do mesmo modo que a do ambiente interno, é garantir a harmonia entre conforto, usabilidade e estética. Para isso, é preciso verificar alguns aspectos técnicos.

“Tanto na área externa quanto interna, os índices de avaliação têm que ser ponderados de forma semelhante. Vamos pensar que, num jardim, temos zonas que devem ter iluminação específica para criar efeito cênico e também temos área de tráfego de pedestres, por exemplo. Cada situação precisa ser analisada de maneira particular”, explica o arquiteto.

Do ponto de vista da rede elétrica, Pavan ressalta a importância de uma preparação direcionada: o isolamento com cabos e conectores voltados para esse fim. Desse modo, é possível manter a segurança e garantir resultados melhores.

4 regras para não errar na iluminação

Inicialmente, a iluminação de jardim acontece de forma semelhante ao processo interno. O conforto e o bem-estar devem ser os principais direcionadores para a escolha dos elementos, mas também é preciso pensar em algumas regras.

Com a abordagem correta, é possível compor o cenário perfeito para aproveitar o lado de fora da casa até quando a noite cai. Na sequência, veja 4 regras de iluminação para garantir o jardim ideal.

1. Evite luzes coloridas

Era frequente que os projetos para a área externa incluíssem refletores coloridos, como os verdes. A ideia era valorizar o aspecto das folhagens e compor o ambiente. Também já foi comum usar outras nuances, até para criar um resultado lúdico. No entanto, essa é uma técnica que está em desuso e que pode ser considerada ultrapassada.

Hoje, faz sentido reforçar o visual natural das plantas, folhagens e outros elementos. Refletores brancos são os mais utilizados, já que oferecem um toque realista às cores.

Ao mesmo tempo, vale ficar de olho na temperatura. Lâmpadas muito fortes podem estourar a saturação ou causar um efeito “rebote” de reflexo, então é preciso realizar uma boa especificação. “Uma zona de trabalho requer um número específico de lumens para conforto do usuário ao desempenhar sua atividade”, ensina Pavan.

2. Direcione as luzes de baixo para cima

O posicionamento das lâmpadas é tão importante quanto a escolha delas. Selecionar o ponto adequado faz com que as estruturas naturais sejam valorizadas e que o projeto ganhe um toque especial. Para acertar, o ideal é posicionar os refletores de baixo para cima.

Isso faz com que a luz acompanhe o crescimento dos arbustos, das árvores e das folhagens. É algo que ajuda a reforçar o aspecto vertical e evita o “achatamento” no topo dos elementos naturais.

“O olhar do visitante (observador) deve ser atraído para se movimentar diante das cenas e dos seus componentes (tipos de plantas, texturas, cores etc.). É preciso criar um misto de sensações que despertem no usuário a curiosidade para contemplar todo o ambiente projetado”, pondera Pavan.

3. Use lâmpadas específicas para área externa

Embora o projeto de iluminação de jardim passe por um processo semelhante ao da área interna, é necessário selecionar lâmpadas especiais. Elas devem ser voltadas para o ambiente externo para que ofereçam os resultados desejáveis.

“É importantíssimo considerar lâmpadas que não gerem calor ou que tenham a dissipação do calor gerado pela fonte luminosa sob controle. Também é preciso tomar cuidado com as que atraem insetos. Isso pode causar uma mortandade descontrolada e abalar o equilíbrio da fauna local”, de acordo com Pavan.

Portanto, o ideal é optar por refletores específicos para esse uso — e há muitos no mercado. Também não abra mão de indicar fornecedores de alta qualidade. Assim, dá para obter o melhor desempenho para o projeto e ampliar a satisfação dos clientes.

O arquiteto Renato Pavan ainda explica outros cuidados direcionados sobre a escolha e o posicionamento.

“Pense em uma distância adequada da fonte luminosa quanto às plantas que serão iluminadas e use equipamentos que não gerem calor excessivo. Vale lembrar que mesmo as lâmpadas de LED produzem calor, então isso deve estar previsto no projeto”, recomenda.

4. Alie estética e funcionalidade

É natural que uma das expectativas sobre a iluminação de jardim esteja relacionada à estética. A intenção é criar um ambiente bonito e que valorize as escolhas ligadas ao paisagismo.

No entanto, também é essencial pensar na funcionalidade. “Para iluminar um jardim, é preciso avaliar as diferentes zonas e entender suas distintas funções (trajeto de pedestres, mesas para piquenique, zona de contemplação etc.), tipos de plantas, alturas das copas e assim por diante”, conforme ensina o especialista.

Portanto, busque meios de tornar o espaço útil e agradável, de modo que possa ser usado durante a noite. Um ponto de trânsito de pedestres, por exemplo, deve delimitar o caminho para evitar acidentes. Já quando a ideia for criar algo cênico, a estética merece atenção especial. No fim, é um jeito de conseguir um resultado prático e harmônico.

A iluminação de jardim deve ser planejada de forma útil, bonita e segura. Com as dicas do nosso entrevistado especialista e com as regras direcionadas, fica mais fácil acertar no projeto.

Essas informações foram úteis? Compartilhe o post nas suas redes sociais e converse com outros profissionais do ramo sobre essa abordagem!


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)