Residencial

7 ideias de Design de Interiores para melhorar o bem-estar e a estética das casas

Os designers de interiores estão bem cientes de que muitas vezes começam a empreender projetos pensando nos principais elementos visuais – como se definirá o estilo dos espaços, de que material será o chão, de que cor serão pintadas as paredes –, em vez de pensarem no impacto que o espaço terá na comodidade, na saúde e no bem-estar das pessoas que o utilizam.

A transição para uma abordagem centrada nas pessoas implica pensar na experiência do espaço através de todos os nossos sentidos, de forma a garantir que os ocupantes estão sempre no centro de qualquer projeto.

A saúde e o bem-estar das pessoas e do planeta têm de ser uma prioridade.

O objetivo é criar experiências multissensoriais benéficas através dos espaços, o que implica pensar também nos momentos mais pequenos em que tocamos e nos conectamos com os materiais.

Elementos como maçanetas, corrimões e interruptores permitem interagir com os diferentes materiais ao longo de cada dia, pelo que é importante assegurar-nos de que apoiam o nosso bem-estar sensorial: seja através da reconfortante calidez da madeira ou do frio de uma superfície de metal. Esta atenção ao detalhe, muitas vezes negligenciada, pode fazer uma diferença real na vida quotidiana.

A viagem sensorial

Falando de divisões específicas, devemos recordar que começamos e terminamos a jornada sensorial diária no nosso quarto: é lá que nos refugiamos, onde nos queremos sentir relaxados e seguros e acordar rejuvenescidos no dia seguinte.

Por isso, considere incluir iluminação e texturas mais suaves nesta divisão, optando por uma uma estética tranquila, sofisticada e organizada.

Já na cozinha e casas de banho, a higiene é fundamental: aqui, optamos por superfícies mais duras, frias e fáceis de limpar. Agora que caminhamos em direção à era pós-COVID, estamos mais atentos do que nunca aos pontos de contacto nos nossos espaços, com os interruptores, maçanetas e eletrodomésticos comuns nos primeiros lugares da lista de “coisas a desinfetar”.

A transição para uma abordagem centrada nas pessoas implica pensar na experiência do espaço através de todos os nossos sentido.

Como a Schneider Electric pode ajudar os Designers de Interiores a combinar estética e tecnología:

  • Com interruptores e tomadas – escolha pedra e madeira para uma ligação aos materiais naturais; metal e vidro para uma experiência tátil mais refrescante; e os tecidos Kvadrat para cores e texturas subtis. O caráter personalizável destes produtos cria um toque pessoal, e a sua adaptabilidade permite que os utilizadores controlem cada decisão.
  • Com a tecnologia de iões de prata na nossa linha branca e antibacteriana de interruptores e tomadas contribui para um ambiente livre de germes, e elimina, pelo menos em parte e de forma muito conveniente, a necessidade de limpeza contínua.
  • Com o nosso um programa de sustentabilidade de produtos, o Green Premium Ecolabel”, que oferece informação transparente sobre substâncias perigosas, o conteúdo dos materiais, o impacto ambiental e instruções de fim de vida útil para todos os seus produtos.

A saúde e o bem-estar das pessoas e do planeta têm de ser uma prioridade, bem como criar casas que dão resposta às necessidades dos seus ocupantes e estão preparadas para o futuro.

Isto exige um pensamento inovador também em relação aos materiais, pelo que a Schneider Electric partilha sete dicas sobre como escolher materiais que contribuam para o bem-estar dos utilizadores e a saúde do meio ambiente:

  1. Comece por analisar as diferentes áreas que está a criar em casa: para que serão utilizadas, e como quererão as pessoas sentir-se nelas (relaxadas, com energia, sociáveis, etc.)?
  2. Defina cada “zona” em consequência disso, e de seguida crie uma paleta de cores, texturas, padrões e plantas para cada, criando um ambiente rico e diverso em termos sensoriais.
  3. Trabalhe com o seu cliente para identificar o nível de estímulos sensoriais e os tipos de materiais que preferem, para que possa criar espaços confortáveis para eles. Por exemplo, funções adaptáveis como a iluminação regulável melhoram a experiência dos ocupantes.
  4. Escolha materiais, tecnologias e produtos de fácil acesso, manutenção e atualização, para minimizar o desperdício e as disrupções à vida dos ocupantes. A transição para um modelo mais circular de gestão de recursos melhora a experiência dos utilizadores e diminui o consumo linear.
  5. Escolha materiais com baixo ou nenhum teor de compostos orgânicos voláteis (COV) para melhorar a qualidade do ar interior (preferencialmente materiais com a etiqueta ecológica Green Premium). Quando inalados, os COV podem ter efeitos negativos na saúde a longo prazo.
  6. Inclua contrastes de textura no design para criar destaques entre os espaços e recursos da casa: por exemplo, o contraste de uma pedra fria com superfícies de madeira, mais quentes.
  7. Crie harmonia entre as cores e as texturas nas peças de mobiliário e nos acessórios, para criar espaços de relaxamento e um design bem estruturado. Pode utilizar a ferramenta “Find your style” da Schneider Electric para visualizar facilmente as combinações de materiais, cores e interruptores.

Nesta era pós-COVID precisamos de ir mais além do design puramente estético e criar espaços que apoiem e estimulem os seus ocupantes. Apelar a todos os sentidos do corpo criará uma experiência mais rica e envolvente, e um design cuidado pode ser benéfico tanto para as pessoas quanto para o planeta.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)