IOT

Porque a Edge Computing é um ingrediente essencial para a transformação digital da indústria de alimentos e bebidas

O setor de alimentos e bebidas está adotando processos digitais para lidar com os problemas comuns da indústria. Isso inclui melhorar a cadeia de suprimentos por meio da coleta de dados, visibilidade e rastreabilidade para otimizar os processos de produto para o mercado e melhorar a qualidade geral.

A digitalização torna isso possível por meio do uso de dispositivos e sensores inteligentes que coletam dados de equipamentos e processos. No entanto, para coletar, gerenciar e analisar diferentes tipos de dados da Internet Industrial das Coisas (IIoT – Industrial Internet of Things), os fabricantes de alimentos e bebidas precisam de soluções de computação de ponta (Edge Computing).

A computação de ponta oferece suporte ao digital, localizando o poder de computação, do armazenamento e da análise perto das fontes de dados e de seus usuários.

Ela reduz a latência e permite o gerenciamento de grandes quantidades de dados IIoT em tempo real. Dessa forma, a Edge Computing permite a digitalização, ajudando as organizações a impulsionar a eficiência em cada etapa da cadeia de suprimentos, desde fazendas até a fabricação e distribuição aos locais de varejo.

Os benefícios da transformação digital

Melhorias operacionais e de eficiência em alimentos e bebidas estão atrasadas, considerando as descobertas de um estudo recente do Gartner que apontou que 87% das organizações de alimentos e bebidas estão seriamente atrasadas em recursos de análise e inteligência de negócios.

Quando o digital é implementado de forma eficaz, as empresas de alimentos e bebidas podem obter ganhos significativos em 3 áreas:

1. Maximizando o valor do ativo

Os investimentos em tecnologia da Internet das Coisas (IoT – Internet of Things) e análise de dados podem ajudar a reduzir as despesas de capital das organizações, aumentando os ciclos de vida dos ativos.

Sensores colocados em sistemas e equipamentos fornecem um fluxo contínuo de dados sobre saúde e desempenho, permitindo a manutenção preditiva. Isso torna possível operar o equipamento com desempenho máximo e estender os ciclos de vida.

2.  Melhorar as operações

As empresas de alimentos e bebidas precisam rastrear milhões de pontos de dados à medida que o número de unidades de manutenção de estoque (SKUs – Stock keeping Units) que gerenciam cresce rapidamente.

Muitos dos dados relacionados ao SKU, incluindo informações sobre linhas de embalagem, requerem processamento em tempo real, razão pela qual eles precisam de tecnologias digitais para melhorar a eficiência, lucratividade e rendimento.

3. Gerenciando qualidade e conformidade

Os dados coletados dos processos da cadeia de suprimentos são essenciais para rastrear a qualidade do produto e a conformidade regulatória. As empresas precisam ser transparentes sobre suas fontes de alimentos, e isso requer níveis granulares de rastreabilidade em toda a cadeia de abastecimento. Na verdade, 53% dos fabricantes de alimentos e bebidas planejam implementar novas tecnologias para gerenciar cadeias de abastecimento.

Como as soluções de computação industrial de ponta permitem processos digitalizados

Os benefícios da digitalização de processos em alimentos e bebidas são claros, mas existem alguns desafios. O maior envolve como processar e analisar dados em tempo real para manter a qualidade e a conformidade regulatória. Para enfrentar esse desafio, as organizações precisam da visibilidade e rastreabilidade fornecidas pelas soluções de computação industrial de ponta.

Rastrear a cadeia de suprimentos do início ao fim é absolutamente crítico. Considere uma operação diária de laticínios que precisa rastrear a jornada do leite começando na unidade de ordenha e percorrendo seu caminho até a pasteurização, engarrafamento, transporte e entrega.

Tecnologias digitais como códigos de barras, sensores e leitores RFID podem rastrear toda a jornada, permitindo que o produtor de leite faça ajustes rápidos quando necessário. Se houver um gargalo na produção, a empresa pode corrigi-lo. Se o consumo de leite com chocolate crescer, a empresa pode aumentar a produção.

A digitalização também aumenta a produtividade ao simplificar os processos e reduzir os custos com a manutenção preditiva. Na frente de manutenção, os dados coletados dos equipamentos de produção podem ajudar os operadores a antecipar falhas.

Dessa forma, eles podem programar a manutenção antes que uma máquina possa causar um tempo de inatividade, e fazê-la quando ela não interromper a produção. A abordagem preventiva também elimina a dependência de programações de manutenção com base em calendário, o que pode resultar na execução de tarefas de manutenção desnecessárias.

A computação de ponta brilha nessas situações. Com tantos dados fluindo da cadeia de suprimentos, demoraria muito para processá-los por meio da nuvem quando decisões em tempo real são necessárias.

Lidando com os desafios da infraestrutura de TI

Outro desafio da digitalização para empresas de alimentos e bebidas está relacionado ao espaço. Encontrar espaço para a infraestrutura e os equipamentos de TI necessários nem sempre é fácil, mas as soluções de Edge Computing podem resolver esse problema.

Elas são inerentemente flexíveis e, como tal, fáceis de adaptar ao espaço disponível. Dependendo da configuração, as soluções podem coexistir com as máquinas no chão de fábrica ou residir em uma sala separada perto da área de produção.

À medida que os locais de computação de ponta se multiplicam, eles exigem a mesma disponibilidade, resiliência e redundância que um data center tradicional, porque estão lidando com dados críticos.

Para serem eficazes, as soluções de computação de ponta devem ser padronizadas, repetíveis e fáceis de implantar e configurar. Elas também devem ser habilitadas com gerenciamento remoto para monitorar desempenho, segurança e disponibilidade.

A Schneider Electric, junto com seus parceiros estratégicos – AVEVA, Dell/EMC, Cisco, Hewlett Packard Enterprise, Lenovo, Stratus Technologies e outros – oferece soluções totalmente compatíveis que dão às empresas de alimentos e bebidas amplas opções de equipamentos de TI/OT para digitalização.

Porque o Micro Data Center EcoStruxure é adequado para a fabricação de alimentos e bebidas

As soluções EcoStruxure™ Micro Data Center tratam dos problemas de espaço, oferecendo flexibilidade e portabilidade. Pense neles como sistemas de rack pré-integrados e fechados com todos os componentes de computação de ponta necessários, incluindo servidores, armazenamento/rede, energia, resfriamento, acesso e segurança gerenciados, infraestrutura física, software de monitoramento e serviços de remediação. Tudo de forma digital para você.

Disponíveis em vários formatos e tamanhos, esses gabinetes podem ser colocados no chão de fábrica ou nas proximidades, fornecendo o mesmo nível de disponibilidade, segurança e confiabilidade de um data center tradicional.

Todos os equipamentos e infraestrutura de TI estão conectados, dando aos administradores de TI e gerentes de fábrica visibilidade a qualquer hora e em qualquer lugar, além de recursos de gerenciamento remoto.

As soluções EcoStruxure Micro Data Center podem ser repetidas, de modo que podem ser implantadas rapidamente, praticamente da mesma forma, todas as vezes, em qualquer lugar do mundo. Desta forma, elas podem ser um componente essencial da estratégia digital para empresas de alimentos e bebidas.

Explore o site do EcoStruxure Micro Data Center para saber como essa solução de Edge Computing pode permitir a transformação digital!


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)