Inovação

Os desafios do setor de saúde: continuidade do serviço e a cibersegurança

O setor dos cuidados de saúde está a atravessar um momento de grande procura, maior pressão e alterações drásticas. Cada vez mais dependente da energia crítica e dos cuidados aos pacientes, atravessa um período de crescimento transformador – já antes da pandemia era previsto que o mercado europeu de cuidados de saúde digital atingisse um valor de 145 mil milhões de euros até 2025.

Paralelamente, a Forbes prevê que a quantidade de dados no setor duplicará a cada 73 dias todos os anos. A atual crise de saúde também contribuirá para este aumento na geração de dados, com mais de 2,1 milhões de casos reportados até ao momento, apenas na UE.

Este aumento da procura e dos dados obriga a dar resposta a um aspeto importante: garantir que as organizações de cuidados de saúde possuem e aproveitam a infraestrutura digital necessária para enfrentar este crescimento.

Sobretudo, tendo em conta que o setor está pressionado para garantir a saúde dos pacientes, a integridade dos dados e a segurança dos colaboradores.

Tendências digitais nos cuidados de saúde

Segundo o CBI, em 2025 haverá 10,34 milhões de dispositivos conectados no setor dos cuidados de saúde na Europa, face aos 2,79 milhões registados em 2019.

Este investimento na Internet das Coisas (IoT) é motivado por uma maior preocupação com a atenção aos pacientes – segundo 80% dos profissionais do setor, esta e os dados eram as suas principais prioridades em 2019 – . Além disso, a crescente necessidade de contar com medidas de controlo de custos e eficiências.

Com a pandemia, aumentou a necessidade de trabalhar e cuidar dos pacientes à distância, obrigando o setor a reinventar rapidamente a sua forma de atuar. Agora, depende enormemente da infraestrutura digital.

A tecnologia IOT, as consultas virtuais e a modelagem 3D no diagnóstico estão a revolucionar o setor da saúde.

A Inteligência Artificial, por exemplo, está a revolucionar a forma de realizar diagnósticos e espera-se que, nos próximos anos, seja capaz de proporcionar resultados para amostras biológicas em minutos com uma precisão de até 90%.

Este fator, juntamente com outros elementos como wearables, consultas virtuais ou a modelagem 3D no diagnóstico e na formação, está a impulsionar o crescimento do mercado até um valor previsco de 4.2 mil milhões de euros até 2025.

Os desafios do setor de saúde 

Os desafios são muitos. O primeiro é a ameaça que representam as falhas de energia e o tempo de inatividade.

O setor dos cuidados de saúde é crítico e está obrigado a garantir a saúde e segurança de todos aqueles que estão nas suas mãos. Para além disso, o aumento da telemedicina fez com que deixassem de ser tolerados a latência e o tempo de inatividade, e tudo isto pressiona enormemente os profissionais de TI.

Felizmente, a monitorização remota, se utilizada adequadamente, permite superar estas ameaças.

Por outro lado, antes desta crise, a cibersegurança era já uma área de preocupação; agora, no entanto, as exigências de proteção dos dados são ainda maiores e colocaram à prova os softwares existentes, bem como aumentaram a procura de soluções de segurança física.

Assim, surge uma oportunidade para que parceiros tecnológicos especializados se unam ao desafio de apoiar o setor da saúde. Nesta linha, após uma série de tentativas de ciberataques, a Microsoft ofereceu aos hospitais software de prevenção gratuito.

Finalmente, outro desafio é a aprendizagem e o desenvolvimento dos profissionais do setor.

Atualmente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) oferece-lhes a plataforma “OpenWHO”, que disponibiliza mais de 40 cursos diferentes em 21 idiomas para os ajudar a tornar-se mais versáteis na sua abordagem aos cuidados médicos.

Da mesma forma, as equipas de TI têm agora a oportunidade de mostrar as capacidades da infraestrutura digital e como esta pode dar suporte a operações críticas de forma mais fiável.

Evitar as interrupções, uma questão de saúde pública

Para as organizações de cuidados de saúde, sejam clínicas, hospitais ou laboratórios, as interrupções não são uma opção.

Na Schneider Electric ajudamo-las a responder a estes ricos, garantindo o cuidado dos pacientes e a segurança dos dados e dos colaboradores com as nossas soluções líderes no mercado.

As nossas soluções líderes de mercado respondem a todos os riscos, garantindo os cuidados aos pacientes e a segurança dos dados.

Assim, a nossa Smart-UPS™ protege o fornecimento de energia contra sobretensões, falhas ou perturbações; os Micro Data Centers EcoStruxure™, seguros e rápidos de implementar, oferecem conectividade de alto desempenho para aplicações sensíveis à latência.

O nosso software EcoStruxure IT Expert™ — atualmente utilizado por uma das maiores organizações de investigação genética da Europa, o Wellcome Sanger Institute – é uma solução Cloud compatível com outros fabricantes que ajuda a evitar o tempo de inatividade, permitindo uma total visibilidade da infraestrutura de TI  e monitorização remota em qualquer momento e lugar.

Desde pequenas clínicas a grandes hospitais, todo o setor dos cuidados de saúde está atualmente a enfrentar uma enorme pressão para otimizar as operações diárias e manter a saúde dos seus pacientes e a segurança dos seus colaboradores. Esta pressão cresceu ainda mais devido à atual crise de saúde.

Enquanto fornecedores de soluções, temos a responsabilidade de oferecer ao setor soluções digitais seguras, robustas e resilientes que ajudem os profissionais a proporcionar o melhor serviço possível a milhões de pessoas.

Para obter mais informação sobre as soluções de Edge Computing da Schneider Electric para o setor dos cuidados de saúde, clique aqui.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)