Gestão de infraestrutura

Por que aplicações comerciais e industriais exigem uma mistura de nobreaks centralizados e UPSs distribuídos?

Ao decidir a melhor forma de fornecer proteção de energia em um ambiente comercial ou industrial, você inevitavelmente se deparará com a questão de saber se uma configuração de fonte de alimentação ininterrupta (UPS ou nobreak) centralizada ou distribuída faz mais sentido. A resposta, como tantas vezes acontece, é “depende”.

Depende de fatores, incluindo a importância de cada carga, a quantidade de conhecimento que você tem disponível para instalação e manutenção e a natureza das cargas, sejam elas mais centralizadas ou distribuídas. Nesse post, veremos alguns dos fatores que influenciam sua decisão.

Considerações sobre a implantação de nobreaks centralizados vs. distribuídos

Em termos de facilidade de implantação, a princípio, você pode pensar que um UPS centralizado único será mais fácil de implantar do que vários sistemas distribuídos. Mas se o sistema centralizado for uma UPS trifásica grande, isso pode não ser o caso.

Esses sistemas exigem experiência elétrica significativa para instalar e configurar corretamente, o que significa que você provavelmente precisará de ajuda externa. Os sistemas também exigem manutenção rotineira e contínua, o que provavelmente significará alinhar a ajuda de terceiros (um tópico abordado neste post anterior sobre como trabalhar com um terceiro para escolher um projeto de nobreak.

Por outro lado, com uma abordagem de UPS distribuída, você pode usar UPSs monofásicos, que são muito mais fáceis de instalar e exigem pouca ou nenhuma manutenção. Claro, isso dependerá do tamanho das cargas que você precisa proteger. Se forem muito grandes, um no-break trifásico pode ser necessário – outro tópico abordado em um post anterior sobre a escolha do nobreak correto.

Considerações sobre confiabilidade para configuração do nobreak

O nível de criticidade para suas cargas também é uma consideração. Em geral, um UPS trifásico é mais confiável do que um sistema monofásico, com um MTBF (Mean Time Between Failures, ou tempo médio entre falhas) maior, porque possui recursos de redundância incorporados. Assim, você pode argumentar que um único, grande e centralizado nobreak trifásico fornecerá proteção mais confiável do que uma série de nobreaks monofásicos distribuídos.

Mas não é assim tão simples. No caso de você ter um problema com o nobreak centralizado, isso coloca em risco todas as cargas que ele está protegendo. Com a abordagem de UPS distribuída, um problema com qualquer UPS afetará apenas as cargas que ele está protegendo.

Configuração da UPS na prática: um tamanho raramente serve para todos

Na prática, o que isso tudo significa é uma mistura de UPSs distribuídos e centralizados na mesma instalação.

Considere um hospital, por exemplo. Ele pode usar um nobreak centralizado para proteger cargas críticas, como iluminação de emergência, principalmente porque é mais simples conectar todos os circuitos de iluminação ao mesmo equipamento. Mas é prática comum que cada sala cirúrgica ou de ressonância magnética tenha seu próprio UPS dedicado, porque essas áreas são muito importantes. Você não quer arriscar que todos estejam sem energia no caso de uma falha centralizada do nobreak.

Um ambiente de varejo apresenta um cenário semelhante, onde é comum implementar sistemas UPS distribuídos para proteger sistemas de ponto de venda de caixas individuais, enquanto uma unidade centralizada protege os sistemas de iluminação e HVAC das instalações.

Em uma instalação fabril, a abordagem centralizada é o projeto mais comum para proteger máquinas de chão de fábrica e similares. No entanto, pode haver certos pontos críticos que garantam sua própria proteção de energia separada, como uma “sala limpa” em uma fábrica de semicondutores.

Obtenha ajuda especializada com sua decisão de design da UPS

Como você pode ver, não há escassez de variáveis ​​a serem consideradas com relação às opções de configuração do nobreak. Mas as decisões que você toma são críticas, dado o alto custo do tempo de inatividade (https://blog.schneider-electric.com/power-management-metering-monitoring-power-quality/2017/12/21/customers-cost-justify-ups-design/). Na maioria dos casos, vale a pena contar com a ajuda de um especialista externo que pode orientá-lo no processo de tomada de decisões e criar um design que faça sentido para cada uma das suas cargas críticas, do ponto de vista de risco do negócio.

Para ter uma ideia de onde começar, confira o site de continuidade de negócios industriais da Schneider Electric. Você aprenderá mais sobre as abordagens de proteção de energia para setores como saúde, petróleo e gás, entre outros, junto com a variedade de opções de UPS disponíveis para aplicações comerciais e industriais. Se você quiser, também temos especialistas disponíveis para ajudá-lo a obter a melhor configuração de UPS para suas instalações.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)