Gestão de Energia

3 Tipos de Microgrids que tem mesmo de conhecer

Graças ao desenvolvimento e utilização cada vez mais generalizados das microgrids, prevê-se que a capacidade de geração descentralizada alcance os 30% em 2050 e os 20 GW até 2028 – em comparação com os menos de 5 GW de 2020.

Podemos afirmar que todas as microgrids, de um modo geral, oferecem três grandes vantagens às empresas: o aumento da sustentabilidade, da poupança energética e da fiabilidade da sua energia.

Contudo, nem todas as microgrids são iguais e, dependendo da sua tipologia, podem centrar-se mais numa ou noutra destas vantagens. Vamos analisar esta questão em detalhe para que possa compreender que tipo de microgrid deverá implementar, de acordo com as diferentes realidades com que a sua empresa e instalações se deparam.

Microgrid Schneider Electric

Que tipos de microgrids existem?

Podemos diferenciar essencialmente três tipos de microgrids, consoante o seu modo de ligação à rede principal:

1.    Microgrids Grid-Tied

São instalações conectadas à rede de forma contínua, que contam com geração local de energia e/ou armazenamento e gestão de cargas.

Focam-se na otimização da energia consumida, armazenada e gerada, na redução dos custos de energia e emissões, mas também na possibilidade de tirar partido da resiliência e da flexibilidade que advêm da utilização de diferentes fontes de recursos distribuídos – com o acréscimo de que podem vir a conseguir monetizar o excedente da sua geração.

Este tipo de microgrids pode tirar partido de todas as vantagens de um software que permita realizar um controlo preditivo, de forma a usufruir ainda mais das possibilidades da flexibilidade. Por exemplo, o EcoStruxure Microgrid Advisor (EMA) da Schneider Electric executa algoritmos de controlo preditivo baseados em modelos que combinam diferentes parâmetros – sinais de preços, dados históricos, previsões meteorológicas e calendários operacionais – para prever, com maior precisão, as variações na oferta e procura de energia.

Para além disso, esta otimização é atualizada periodicamente, o que permite a sua utilização em casos que requeiram ações muito rápidas, como a regulação da frequência ou a resposta à procura.

O algoritmo também recolhe informações sobre os preços da eletricidade por hora, facilitando a tomada de decisões como por exemplo descarregar a bateria de energia solar se os preços estiverem altos, carregá-la se estiverem baixos, e alternar o autoconsumo quando o mercado spot está estável.

2.    Microgrids Off-Grid

Estas microgrids estão totalmente desligadas da rede principal e são especialmente adequadas para zonas desertas, ilhas ou áreas rurais isoladas. Integram os elementos de geração distribuída de diferentes tecnologias e contam com armazenamento e gestão de cargas.

O principal impulsionador desta tipologia de microgrid é a fiabilidade do abastecimento de eletricidade: é possível contar com energia local segura com sistemas de energia eficientes e proporcionar uma rede estável em modo “ilha”. Tudo isto com o importante acréscimo de que se pode também minimizar a dependência de combustíveis fósseis e maximizar a integração de energias renováveis.

Ao contrário do anterior, este tipo de microgrid não consegue reaproveitar o excedente de energia e monetizá-lo; mas pode aumentar a estabilidade e a otimização da sua rede isolada graças a softwares como o EcoStruxure Microgrid Operations (EMO), um sistema de controlo e gestão escalável, resistente e de alto desempenho, capaz de oferecer funcionalidades avançadas de rede e dos recursos energéticos distribuídos. Pelas suas características e necessidades de implementação, é um sistema simples e muito robusto, de fácil operação e manutenção.

3.    Microgrids Island-Able

Este é um modelo híbrido, geralmente conectado à rede principal, mas com a capacidade de passar para modo “ilha” e desconectar-se da rede quando há quebras de energia ou outro tipo de falhas de rede.

A sua principal vantagem é a capacidade de gerir de forma eficiente as falhas de abastecimento, ao mesmo tempo que otimiza a fatura da eletricidade e aumenta a sustentabilidade, duas características transversais a todas as microgrids. Este tipo de microgrid pode beneficiar de ambas as soluções da Schneider Electric descritas acima – tanto EMO como EMA.

Estes dois últimos tipos de microgrids – Off-Grid e Island-Able – estão especialmente difundidos em regiões como os EUA e a Austrália, que precisam de garantir uma maior resiliência da sua energia, por terem redes mais débeis do que as europeias, que são sólidas e compactas.

No entanto, existem alguns fatores que começam a augurar a implementação destas duas tipologias na Europa, como a alta penetração das energias renováveis ​​e dos veículos elétricos, que levará a uma instabilidade e saturação da infraestrutura elétrica de transportes; ou o aumento dos fenómenos climáticos extremos, que provocam cortes imprevistos no abastecimento de energia.

De qualquer forma, escolher o tipo de microgrid mais adequado a cada caso está dependente das necessidades do cliente e do mercado em que se insere; e da possibilidade de contar com um parceiro com o conhecimento e a experiência necessários para o aconselhar da forma certa. Para mais informações, consulte a nossa página dedicada a microgrids.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)