Eletricistas

Principais componentes em Comandos Elétricos

Em um mundo cada vez mais automatizado e cheio de tecnologias, a eletricidade tem um papel fundamental para o acionamento de máquinas e dispositivos. No entanto, não basta ter energia disponível, é necessário usar alguns componentes de comando e proteção que vão garantir uma operação segura dos equipamentos elétricos. No decorrer do texto vamos abordar os principais componentes usados em comandos elétricos e explicar a sua função.

O leitor que tem mais familiaridade com o assunto, já deve ter pensado em alguns componentes e, se me permitem, proponho um novo olhar sobre o tema, começando por aquilo que é indispensável para uma boa instalação elétrica.

1. CABINE OU PAINEL ELÉTRICO

Isso mesmo. Muitas vezes esquecidos quando o tema é abordado, cabines e painéis tem um papel central na montagem dos sistemas de comando. É dentro deles que são acomodados todos os componentes que citaremos a seguir e, portanto, é necessário que eles sejam adequados para o ambiente no qual serão usados e do tamanho correto.

2. SECCIONADORA

A chave seccionadora é uma opção muito utilizada para ligar e desligar a energia dos painéis de comando. Através dessa chave é possível comutar uma corrente de até 175A (TeSys Vario), sendo ideal para aplicações onde há necessidade de desligamento da energia elétrica para manutenção ou operação diária.

3. FUSÍVEL

O fusível é um dos primeiros dispositivos criados para proteção elétrica. Eles oferecem proteção contra curto-circuito, tem uma construção simples e barata, e devem ser substituídos sempre que eles “queimarem”. Por conta disso, é um componente cada vez menos visto em painéis de comandos elétricos e estão sendo substituídos pelo componente a seguir.

4. DISJUNTOR

À princípio, o disjuntor tem a mesma função do fusível, e serve para proteção contra curtos-circuitos. Porém, ao contrário do fusível, não é necessário substituí-lo toda vez que há algum tipo de problema elétrico, é só acionar novamente a alavanca frontal após a falha ter sido eliminada. Atualmente, os tipos mais comuns de disjuntores são os termomagnéticos, que oferem além da proteção de curto-circuito, também a proteção contra sobrecarga. É comum também encontrar disjuntores apenas magnéticos em aplicações de partidas de motores, o que nos leva ao próximo tópico.

5. RELÉ TÉRMICO DE SOBRECARGA

Na partida direta de motores, usando contatores, é necessário uma proteção precisa de sobrecarga, para impedir que o motor trabalhe acima da capacidade nominal e comprometa todo o processo. Para tanto, é usado um relé térmico acoplado ao contator. Nesse relé, o técnico ajusta a corrente da carga através de um seletor rotativo e caso a carga passe a operar com uma corrente acima da que foi definida inicialmente, o relé é acionado, cortando a alimentação do motor. Para religá-lo, é só apertar um botão na parte frontal do relé.

6. DISJUNTOR-MOTOR

Para economizar espaço no painel, é possível substituir o relé magnético e o relé térmico por um disjutor-motor, que faz a função de proteção de sobrecarga e curto-circuito no mesmo componente, facilitando a vida de quem está montando o painel e comissionando a instalação.

7. CONTATOR

Chegamos ao principal componente dos comandos elétricos, o contator, ou contatora como também é conhecido. É ele que realiza as manobras de motores elétricos, então possui uma robustez muito grande, suportando grandes picos de corrente nas partidas e são encontrados com correntes nominais bastante elevadas. O contator normalmente possui três contatos de potência e também alguns contatos auxiliares, que ajudam na montagem dos circuitos elétricos, como é o caso do “contato de selo”. É importante citar que existe também o contator auxiliar, que não deve ser usado para partida de motores mas sim para o chaveamento de outros tipos de cargas.

8. BOTÕES, COMUTADORES E SINALIZADORES

Na operação diária de um sistema elétrico, precisamos de uma interface entre os componentes já citados e a pessoa que os opera. O tipo de interface mais conhecido é o botão. O botão tem a função de enviar um pulso elétrico para o restante do sistema e indicar se ele deve ser ligado, desligado ou fazer uma troca de função. Tudo isso depende da combinação de contatos elétricos que esse componente possui, que pode ser um contato NA (normalmente aberto) ou contato NF (normalmente fechado). O NA é mais comum para ligar um circuito e o NF para desligá-lo.  Existe também o comutador, ou seletor, que é usado para selecionar entre diferentes funções de um determinado processo. Por exemplo, em um sistema de bombeamento eu posso selecionar entre a operação manual ou automática. O sinalizador, por sua vez, é um LED que tem a função de indicar para o operador se as funções importantes do processo estão funcionando corretamente. Alguns sinalizadores podem ter, além do sinal luminoso, um sinal sonoro também.

9. RELÉS AUXILIARES

Os relés auxiliares servem para multiplicar um sinal elétrico já existente ou então para ser a interface entre um dispositivo e outro. Podemos usá-lo para acionar uma carga que tem uma tensão de funcionamento diferente da tensão de comando, por exemplo.

10. RELÉS ELETRÔNICOS

Entre os relés eletrônicos, os mais comuns são os relés temporizadores, que como o próprio nome já diz, tem a função de contar um tempo a partir de um determinado comando. Podem ser usados para diversas aplicações e possuem mais de 30 tipos diferentes de temporização. O outro tipo mais conhecido de relé eletrônico é o de controle e monitoramento, cuja aplicação mais comum é a detecção de falta de fase em circuitos trifásicos.

11. FONTES E TRANSFORMADORES

É muito comum que, em algumas aplicações, seja necessário diminuir a tensão de entrada para alimentar alguns produtos eletrônicos ou mesmo para evitar o uso de tensões mais altas nos componentes que estão na porta do painel, a fim de evitar choque elétrico. Nesse caso podemos usar uma fonte, se a tensão desejada for em corrente contínua ou um transformador se a tensão desejada for em corrente alternada.

12. BORNES

Dependendo do tamanho da instalação elétrica, os bornes ajudam o profissional a separar os circuitos elétricos de forma adequada, a dividir um sinal elétrico existente e facilita a identificação dos cabos que vem do campo.

Espero que depois desse texto, o leitor possa ter conhecido melhor os principais componentes presentes em comandos elétricos. É importante ressaltar que esses não são os únicos produtos usados para esse fim. Existem outros acessórios importantes como legendas, ventiladores e blocos de contatos adicionais que são indispensáveis em várias aplicações.

Navegue pelo nosso blog e tenha acesso a outros conteúdos que podem te ajudar diariamente!

 

Texto produzido por Daniel Hojaij

Gerente de Produto – Comando, Sinalização & Relés


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)