EcoStruxure

Como as empresas de Óleo e Gás estão reduzindo os custos de infraestrutura em exploração e produção (processo conhecido como upstream) ao redor do mundo.

As novas tecnologias estão impulsionando o ritmo de transformação nas operações de exploração e produção de petróleo e gás. À medida que as partes interessadas reavaliam seus modelos de custos e despesas em um ambiente de preço do petróleo volátil, aqueles que aprenderem a dominar as nuances da nova relação entre dados, tecnologia, análise, economia de custos e lucratividade serão os vencedores. As novas tecnologias precisarão estar diretamente ligadas à dinâmica do processo interno de petróleo e gás para alcançar a otimização das operações com fins lucrativos.

Em ambientes de upstream, tanto as unidades flutuantes de produção, armazenamento e descarga (FPSOs) quanto de gás natural liquefeito flutuante (GNFL) servem como exemplos de como a otimização dos sistemas de energia está ajudando a cortar custos drasticamente enquanto economiza espaço valioso. Abaixo está uma sinopse de alguns casos de uso recentes que ilustram como essas novas abordagens e tecnologias estão sendo implantadas:

        1.África Oriental: Otimizando o projeto do sistema de distribuição elétrica

Em um esforço para desenvolver ainda mais os campos submarinos de gás natural descobertos recentemente, um integrador global de gás e GNL contatou uma empresa de Engenharia, Aquisição e Construção (EPC) especializada em tecnologias de plataforma offshore. À medida que a epecista fazia licitações para subcontratados, a Schneider Electric respondeu com uma abordagem única para a implementação da distribuição elétrica e uma nova arquitetura de energia. Uma proposta para um pacote completo de distribuição elétrica (incluindo sistemas de baixa e média tensão) foi emitida, focando não apenas na confiabilidade e segurança, mas que também incluía a otimização da pegada ecológica e redução do peso.

Os consultores especialistas em sistemas de energia da Schneider Electric otimizaram o processo de distribuição de energia, reduzindo o volume de painéis e equipamentos MT necessários, minimizando ainda o risco de paralisação usando métodos avançados de dimensionamento. Eles também gerenciavam todos os pedidos de mudança de processos relacionados à energia e modificações que ocorreram durante a fase de design para garantir o planejamento do projeto. A nova abordagem resultou em uma redução de 20% no custo em torno da geração de energia, distribuição elétrica e equipamentos de cabeamento ao longo da vida útil do ativo.

       2. Brasil: Solução de expedição entregue de 6 a 12 meses

Nesse caso, uma empresa brasileira de capital aberto especializada em petróleo, gás natural e desenvolvimento de energia se viu em uma necessidade desesperada de uma entrega rápida de uma solução de distribuição elétrica e energia de ponta a ponta. Como parte do grande projeto para extrair gás natural da maior bacia sedimentar offshore do Brasil, a empresa precisava de tecnologia atualizada para alimentar sua unidade de armazenamento e descarga de produção flutuante (FPSO).

Uma especificação de duas páginas foi emitida (em vez de uma especificação tradicional de 80-100 páginas) que forneceu à Schneider Electric a latitude para configurar rapidamente uma solução robusta, mas eficiente em termos de espaço físico. A chave para executar contra os cronogramas de entrega agressivos era capitalizar e modularizar rapidamente a solução e, em alguns casos, usar modelagem de dados para determinar onde a reutilização de relés MV e LV era possível. A Schneider Electric empacotou uma solução pré-construída que poderia ser entregue em um período muito mais curto do que as soluções convencionais. Como resultado, a solução foi entregue em 12 meses, ao contrário do período tradicional de 18 a 24 meses.

        3. África Ocidental: Integração do subsistema de energia e gerenciamento robusto de energia garantem confiabilidade e segurança

 

Um conglomerado global de petróleo e gás ativo em mais de 130 países exigiu um FPSO de última geração para iniciar a produção de campos offshore perto da Nigéria. O FPSO, pesando cerca de 220.000 toneladas e medindo 330 metros por 60 metros, está conectado a 44 poços submarinos e está localizado a 1.600 metros acima do fundo do mar. Projetado para lidar com 200.000 barris de petróleo e 160 milhões de pés cúbicos de gás natural por dia, o FPSO pode armazenar até 2,3 milhões de barris de petróleo.

A fim de garantir a confiabilidade e a segurança das operações elétricas, a Schneider Electric foi solicitada a produzir um projeto de subsistema elétrico detalhado e a fornecer painéis de média tensão, relés de proteção digital e um Sistema de Controle de Gerenciamento de Energia (EMCS) completo para o FPSO. O EMCS oferece redução rápida de carga, compartilhamento de carga e gerenciamento de gerador e ajuda a minimizar o consumo de energia enquanto maximiza o tempo de atividade do sistema. Outros benefícios importantes do projeto do sistema de energia incluem proteção, segurança e confiabilidade aprimoradas.

 

Para saber mais sobre como as soluções de distribuição de energia digitais da Schneider Electric podem ajudar a permitir a modernização e expansão da indústria de petróleo e gás, visite nossa página da web EcoStruxure ™ para Petróleo e Gás. Ou descubra como podemos ajudá-lo a alavancar os avanços da IoT para quebrar as barreiras tradicionais entre os sistemas de controle de energia e processo em nossa página da web EcoStruxure Power and Process.

 

Tags: FPSO, offshore platforms, Oil and gas operations, oil and gas power, oil production, upstream oil and gas, use cases.

Este artigo foi adaptado da sua versão original em inglês, publicada no blog global da Schneider Electric.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)