EcoStruxure

Utilizando Termografia para identificar conexões frouxas

Este artigo foi adaptado da sua versão original em inglês, publicada no blog global da Schneider Electric.

por Sébastien Heraud

 

Com o equipamento certo e algum entendimento básico, não é difícil determinar quais conexões estão sobreaquecendo

Os posts anteriores desta série sobre conexões de potência discutiram a importância de conexões firmes, como e por que elas tendem a se soltar ao longo do tempo e os perigos que surgem quando isso acontece. Neste post, explicamos como a termografia pode ser usada para localizar conexões de potência que precisam de aperto sem desligar a energia.

 

Encontrando pontos quentes

O fato de as conexões de potência aquecerem quando soltas é prejudicial à segurança e à eficiência, mas possibilita localizar uma conexão problemática a uma distância segura sem fazer contato – e geralmente muito antes de ocorrer uma falha.

A tecnologia de inspeção por imagem percorreu um longo caminho nos últimos anos. Hoje, as pequenas câmeras infravermelhas portáteis, como mostrado na Imagem 1, permitem que os usuários obtenham rapidamente uma leitura mais precisa da temperatura simplesmente apontando para um objeto. Softwares normalmente fornecem uma imagem aprimorada e com código de cores para que os usuários possam determinar com muita facilidade o que está superaquecido e o que não está.

 

Imagem 1 – Câmera Infravermelha Portátil

 

Uma revisão rápida

Existem três fatores principais que geralmente causam a perda de conexões elétricas – deformação, alterações térmicas, e vibrações externas.

Deformação é o nome dado à remodelagem do condutor que acontece naturalmente com o passar do tempo. Trata-se de uma deformação permanente, como uma estante de livros muito carregada que não volta à sua forma original quando os livros são removidos, consulte a referência da imagem 2.

 

Imagem 2 – Efeito de Tempo e Carga na Prateleira com Livros

 

As alterações térmicas no condutor ocorrem naturalmente, como quando o circuito é ligado e desligado, causando expansão e contração.

As vibrações externas podem advir de equipamentos pesados ​​que operam nas proximidades ou de vários outros fatores. Quando presente, pode ser difícil, senão impossível, evitá-los.

Para neutralizar o afrouxamento natural das conexões, a Schneider Electric, por exemplo, desenvolveu a tecnologia EverLink™. Usando elementos de mola embutidos no hardware de conexão, o EverLink mantém a quantidade adequada de pressão no condutor, apesar dos efeitos de deformação, alterações térmicas térmica e vibração externa. Certificados mecanica e eletricamente para atender à norma americana UL489, os terminais EverLink não exigem reaperto periódico.

No entanto, como nem todos os equipamentos incorporam essa tecnologia, o pessoal de manutenção ainda deve verificar a eficiência da conexão.

 

Localizando conexões frouxas

A termografia é apenas uma maneira de identificar conexões problemáticas, mas talvez entre as maneiras mais fáceis e rápidas de fazer isso. Aqui estão algumas considerações a serem lembradas:

 

  • a captura de imagens térmicas não requer nenhum contato com o terminal; portanto, isso pode ser feito sem desligar o painel ou o circuito;

 

  • para obter uma imagem precisa da integridade da conexão, o circuito deve ter sido ligado à corrente máxima por algum tempo antes do teste, para que se estabilize termicamente;

 

  • outros sinais de elevação de temperatura ainda devem ser observados. A descoloração do material – isolamento do fio ou material do produto, por exemplo – ou odores podem indicar um aumento anormal da temperatura e a necessidade de reaperto;

 

  • as campanhas de inspeção termográfica são tão eficazes que podem substituir efetivamente as campanhas periódicas de aperto tradicionalmente exigidas;

 

  • quando conexões frouxas são descobertas, elas devem ser reapertadas seguindo a especificação de instalação original.

 

Vale ressaltar novamente que, para que uma inspeção de imagem térmica seja eficaz, é necessário que a instalação esteja termicamente estável e operando com carga máximo. Isso requer a repetição sistemática das inspeções em momentos diferentes, porque nem todas as áreas de uma instalação estão em plena carga ao mesmo tempo.

Além disso, se a campanha de inspeção ocorrer no início do afrouxamento de um conector, a resistência nessa conexão poderá não ser suficientemente degradada para gerar aquecimento significativo e, nesse caso, a termografia não detectará o terminal afrouxado.

Para saber mais sobre como a tecnologia EverLink elimina a necessidade de reapertar as conexões, faça o download do artigo “Como garantir uma conexão de potência segura e durável para sua instalação elétrica”.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)