Data Center

Porque precisamos de DCIM mais do que nunca

Este blog foi originalmente publicado no blog global da Schneider Electric por Kevin Brown, responsável pelo Data Center Infrastructure Management (DCIM) e infraestrutura de IT. 

Agora que o início da pandemia faz parte de um passado mais longínquo, é o momento certo para olharmos para o progresso que as equipas da Schneider Electric têm feito. Uma das áreas que mais se tem destacado é a de Gestão de Infraestrutura de Data Centers (DCIM, na sua sigla em inglês).

Em 2019 fiz o discurso de abertura de uma conferência e questionei a necessidade de DCIM. Na altura perguntei, tal como Mark Twain o poderia ter feito, se os relatos sobre o fim da DCIM não teriam sido muito exagerados, e concluí que ela estava, afinal, a tornar-se mais relevante, à medida que a dependência da infraestrutura de TI no Edge se tinha tornado cada vez maior. Contudo, as ferramentas tradicionais de DCIM eram inadequadas e era necessário tirar partido das tecnologias mobile e da Cloud.

Atualmente, é com entusiasmo que afirmo que amadurecemos drasticamente as nossas ofertas neste campo. Numa época de aceleração da transformação digital, a DCIM é mais imperativa do que nunca, especialmente quando grande parte das pessoas em todo o mundo está a trabalhar a partir de casa.

A DCIM está a trazer oportunidades – em Data Centers e no Edge

Na Schneider Electric conseguimos tornar a DCIM mais simples e com uma implementação menos dispendiosa. Hoje em dia é mais versátil, com funções de monitorização e gestão acessíveis em qualquer momento e lugar e a partir de qualquer dispositivo. Para além disso, a DCIM está a evoluir da geração de dados em bruto para a oferta de análises inteligentes com recomendações. Adicionemos-lhe análise de cibersegurança, capacidades preditivas e monitorização de segurança ambiental e física integradas – e estamos a viver um momento entusiasmante.

Vejo muitas formas de a DCIM oferecer oportunidades à indústria, e a necessidade dela nunca foi tão grande. A transição para um mundo mais automatizado estava a acelerar-se rapidamente antes da COVID-19, tendo acabando por fazê-lo ainda mais durante a pandemia. As nossas equipas na Schneider Electric estão mais focadas do que nunca em garantir que a DCIM está preparada para os desafios atuais e futuros.

Longa vida à DCIM!

Um dos desafios mais complexos é a sustentabilidade dos Data Centers e das TI, especialmente quando olhamos para o futuro próximo e vemos a crise energética a chegar ao Edge Computing. Um pouco por todo o mundo, as pessoas estão a utilizar sensores e contadores de IoT para recolher dados sobre os padrões de utilização de eletricidade, assim como outros recursos. Analisamos estes dados em Data Centers e executamos algoritmos para descobrir formas de otimizar a eficiência e a sustentabilidade global. Cada vez mais, os Data Centers híbridos não existem apenas para permitir a transformação digital – eles são o seu cerne, evoluindo para satisfazer a procura sempre crescente de uma forma sustentável.

No entanto, precisamos de assegurar que a própria infraestrutura de TI é sustentável.

Falei recentemente, no evento DCD’s Towards Net-Zero, sobre o enquadramento da Schneider Electric para a sustentabilidade dos Data Centers. Na minha apresentação, When There’s no Plan B, A Framework for Achieving Sustainability in Data Centers, sublinhei a importância de impulsionar a eficiência operacional, o que pode conseguir-se através da combinação de sistemas conectados, serviços de manutenção preditiva e software e análises. Esta abordagem garante que a DCIM desempenhará um papel crucial nos Data Centers do futuro da Schneider Electric, ajudando a indústria a enfrentar o desafio da sustentabilidade.

Em suma, não tenho dúvidas de que continuaremos a investir em DCIM, uma vez que a monitorização e gestão remotas são fundamentais para a construção de um ambiente de TI híbrido, sustentável e resiliente.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)