Data Center

Como um ecossistema integrado de parceiros gera valor para o cliente de Edge Computing.

Muitos de nós, no mundo dos negócios, percebemos o anúncio da inovação como um grande salto, muitas vezes apresentado em uma mega tela durante uma grande feira de negócios. Elon Musk anuncia um plano para colônias em Marte. Os executivos da Samsung anunciam um telefone celular com uma tela flexível. Mas a inovação real, impactando a vida das pessoas de maneira direta, é mais difícil de reconhecer imediatamente. Na verdade, ele se aproxima de você, de uma maneira que é quase imperceptível, lentamente vazando em nossas vidas. É o caso do Edge Computing.

Deixe-me dar um exemplo.

Dois anos atrás, no meu escritório em casa, eu usava regularmente um telefone de mesa. Hoje ainda tenho esse telefone fixo, mas não o uso há meses. Em vez disso, estou usando o software Skype em um laptop Lenovo usando um alto-falante Jabra baseado em USB com vídeo integrado – em uma tela Vizio. Em essência, meu telefone fixo se tornou obsoleto, substituído por uma experiência integrada entregue não por uma empresa, mas por quatro. E, se eu olhar para trás, minha experiência em telecomunicações é muito mais rica e multidimensional do que nunca. Essas mudanças foram filtrando lentamente minha existência por um período de meses. Meu telefone dedicado não se tornou obsoleto em um dia. Em vez disso, eu gradualmente migrei para uma experiência altamente integrada de tal maneira que a mudança geral real era quase invisível.

Agora, esse mesmo fenômeno está ocorrendo em nível macro em todo o setor de TI, à medida que a comunidade de fornecedores migra do fornecimento de soluções de sistema dedicadas para o fornecimento de experiências convergentes de ponta a ponta, impulsionadas pela colaboração e parceria de vários fornecedores.

partnerships

Como o “ecossistema integrado” funciona

Por falta de uma frase melhor, vamos chamá-la de “ecossistema integrado”. Deixe-me esclarecer melhor como eu defino esse conceito emergente, dividindo-o em seus três pilares fundamentais:

  • Fornecedores – Esses players criam valor quando utilizam suas principais competências para fornecer hardware e software de tecnologia exclusivos e específicos de funções, enquanto fazem parceria com outros fornecedores complementares. O objetivo da colaboração é certificar um nível desejável de interoperabilidade, para reduzir o tempo de design e implantação. Isso permite uma solução mais ampla que funcione e que possa ser lançada no mercado.
  • Parceiros – Este grupo é formado por provedores de serviços de Tecnologia da Informação (TI) e Tecnologia de Operações (OT) que trabalham juntos para implementar soluções que integram elementos tão básicos quanto sensores simples a arquiteturas de gerenciamento de ciclo de vida completo.
  • Ferramentas – Podem ser programas de software ou metodologias simples ou complexas (pense em interfaces de programação de aplicativos) que atuam como facilitadores, permitindo que as contribuições de fornecedores e soluções de parceiros se conectem e forneçam uma experiência integrada.

Se perguntado há alguns anos, eu teria previsto o surgimento de super fornecedores e integradores capazes de fornecer soluções de ponta a ponta que capturariam o valor do negócio em um processo ou experiência complexos. Hoje, tenho uma opinião muito diferente. Minha crença atual é que, para qualquer caso de uso, a única maneira de atender às necessidades dos clientes é através de um ecossistema viável de fornecedores, parceiros e prestadores de serviços – trabalhando juntos para fornecer a solução inovadora exigida pelos clientes.

Edge computing é um bom exemplo

Essas novas alianças não devem ser confundidas com alianças antigas e tradicionais de fornecedores. Esses novos relacionamentos colaborativos estão sendo alimentados pela digitalização de pontos finais na extremidade das redes. No Edge Computing, por exemplo, agora é possível entregar um microcentro de dados a um site em que ninguém tenha experiência em TI e que ele possa ser executado sozinho. Um provedor de soluções de infraestrutura física de data center, em parceria com um fornecedor de TI convergente, em parceria com um integrador, em parceria com um distribuidor, trabalha em segundo plano para remover todos os níveis de complexidade. O microcentro de dados chega pronto para uso. É pré-testado. Todas as muitas peças de hardware e software funcionam muito bem em conjunto, e qualquer pessoa que trabalha no local simplesmente pressiona o botão “ligar”. O sistema começa a se monitorar, conecta-se à rede local e remota e imediatamente começa a executar tarefas.

As expectativas dos clientes são altas

Ao me envolver com os clientes este ano, ficou evidente que essa abordagem colaborativa de vários fornecedores é o novo normal. Mas fornecedores e parceiros ainda têm um longo caminho a percorrer para alcançar a otimização integrada do ecossistema harmonizada que os clientes esperam. A maioria dos clientes com os quais me aproximei estava clara de que a simplificação do gerenciamento dessas soluções de vários fornecedores precisa evoluir rapidamente.

Semelhante à minha experiência com o telefone, vejo um fluxo constante de etapas de melhoria incremental por todas as partes da cadeia de valor, incluindo o cliente, a fim de aprimorar o ecossistema. Suspeito que novos modelos de negócios venham a surgir e facilitadores serão implementados, o que aumentará ainda mais a velocidade com que novas inovações passam do conceito para a realidade.

Para saber mais sobre como sua empresa pode alcançar a certeza em um mundo conectado nesta era do Edge Computing, faça o download do nosso white paper “Resolvendo os desafios da infraestrutura de Edge Computing”.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)