Data Center

Edge Computing está transformando a implementação de IoT na área de saúde

Enquanto a maioria das indústrias busca implementar as tecnologias da Internet das Coisas (IoT), a área de saúde como um todo já embarcou na transformação digital para alcançar maior eficiência operacional e melhorar a prestação de cuidados. Podemos ver as tecnologias conectadas em diferentres aplicações:

  • Manutenção de registros de pacientes: registros médicos eletrônicos (EMR) que digitalizaram arquivos em papel com documentos digitais;
  • Telemedicina: sistemas de vídeo, voz e dados que permitem que os pacientes se comuniquem remotamente com os médicos;
  • Salas de cirurgia: robótica de última geração e equipamento de vídeo que auxiliam os médicos na realização de cirurgias;
  • Monitoramento do paciente: Dispositivos médicos conectados, como bombas de insulina, lentes inteligentes e marca-passos, que transmitem dados aos médicos sobre as condições do paciente;
  • Wearables: Dispositivos portáteis e aplicativos conectados que rastreiam sinais vitais como frequência cardíaca, contagem de etapas e hidratação que podem ser usados ​​para ajudar um profissional de saúde a examinar esses sinais vitais ao longo do tempo;
  • Rastreamento de ativos: tecnologia RFID (Identificação por radiofrequência) que permite a localização em tempo real do pessoal médico e do equipamento;
  • Utilização de instalações: Sensores e análise de dados que ajudam a fazer o uso mais eficiente de instalações clínicas, como salas de cirurgia

É justo dizer que uma revolução está em andamento na área da saúde. Provedores, empresas farmacêuticas e fabricantes de dispositivos médicos foram os primeiros a adotar tecnologias conectadas. Todos eles reconheceram que as tecnologias conectadas podem melhorar o atendimento de várias maneiras.

Objetivos da IoT

Os prestadores de serviços de saúde estão sob pressão dos custos crescentes e da demanda por serviços de saúde, combinados com uma redução no financiamento. Há também expectativas crescentes para a mehoria da segurança do paciente e a qualidade do atendimento.

A implantação de tecnologias de IoT na área da saúde se resume a atingir uma, ou mais das três metas principais por meio da transformação digital:

  • Criar novos fluxos de receita;
  • Melhorar a eficiência operacional e reduza os custos;
  • Melhorar a experiência do paciente.

Atingir essas metas normalmente envolve um plano de transformação digital para adicionar novas tecnologias, atualizar ativos digitais existentes e conectá-los para produzir resultados de negócios.

Uma parte integral da transformação, conforme mais e mais empresas estão descobrindo, é a criação de microdatacenters que colocam o processamento e a análise mais perto de onde a ação ocorre – as “coisas” na IoT e seus usuários. A razão para isso é evitar a latência nas transmissões de dados entre a sede da empresa, as infraestruturas na nuvem, os data centers corporativos e as filiais.

Na área da saúde, a latência é definitivamente um problema. À medida que os provedores aproveitam os dispositivos de rastreamento para monitorar as condições do paciente e empregam a robótica de última geração nas salas de cirurgia, eles não toleram a latência. Sendo esse o caso, veremos mais e mais sites de Edge Computing aparecerem em clínicas, hospitais, laboratórios e consultórios médicos.

Esses sites também terão um papel na proteção de dados. Essa é uma das principais prioridades dos provedores de serviços de saúde, pois eles são responsáveis ​​por proteger alguns dos dados altamente regulamentados mais privados, que entram e saem das redes.

Mais a caminho

Os passos iniciais da área de saúde para a digitalização incluíram desenvolvimentos como o uso de dispositivos portáteis para ler códigos de barras em pulseiras de pacientes, a adoção de identificação por radiofreqüência (RFID) para rastrear ativos, como cadeiras de rodas e leitos móveis de pacientes, bem como registros médicos eletrônicos (EMR) que digitalizaram arquivos de papel e pranchetas com documentos digitais.

Há muito mais por vir nesse segmento por meio de tecnologias conectadas. Por exemplo, pesquisadores farmacêuticos estão testando sensores ingeríveis que verificam se os pacientes estão tomando seus medicamentos. Quando uma pílula se dissolve no estômago, ela envia um sinal para um sensor no corpo que atualiza um aplicativo de smartphone.

Enquanto isso, a Alcon, subsidiária da Novartis, está testando sensores não invasivos em lentes de contato para medir os níveis de glicose nas lágrimas de pacientes com diabetes e enviar os dados para um dispositivo móvel. Outro projeto de lente inteligente envolve ajudar pessoas que sofrem de presbiopia a restaurar o foco de seus olhos.

Esses avanços de ficção científica irão aumentar a infinidade de tecnologias conectadas já em uso. E todos eles exigirão uma infraestrutura robusta com conectividade confiável, backup de dados e sistemas de gerenciamento de energia para garantir que funcionem adequadamente. Para garantir Certeza em um mundo conectado para sua empresa de assistência médica, cliquepara saber mais sobre as soluções de computação de ponta e IoT.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)