Data Center

Resiliência nos sites de Edge Computing é resiliência para todo o ambiente de TI

À medida que os projetos de Edge Computing são implementados, as organizações precisam tornar seus ambientesde Edge Computing resilientes. Como diz o ditado, “Você é tão forte quanto o seu elo mais fraco”, portanto, se os locais de Edge Computing forem o elo mais fraco em um ambiente com várias  conexões, a rede inteira certamente sofrerá.

Você não pode ter uma implantação de TI realmente confiável sem resiliência nesses sites de Edge Computing. Portanto, as organizações precisam fortalecer esses  ambientes com a melhor tecnologia do setor,  como já é feito em sistemas de Cloud centralizados e regionais. As organizações precisam de controles de redundância, segurança e gerenciamento projetados para evitar o tempo de inatividade.

A diferença entre o tempo de inatividade em data centers e ambientes de Edge Computing é significativa. O data center médio experimenta 30 minutos de tempo de inatividade anual em comparação com 29 horas – ou 1.740 minutos – nos sites de Edge Computing. Agora multiplique esses ambientes de Edge por dezenas, centenas ou milhares, e a quantidade acumulada de tempo de inatividade é impressionante. Isso pode realmente prejudicar suas operações, especialmente considerando os tipos de aplicativos executados nesses sites de Edge Computing – aplicativos de processamento e análise específicos de negócios que exigem respostas em tempo real.

Confira este vídeo para saber ainda mais sobre as necessidades de TI em constante mudança no mercado impulsionadas pela IoT e por que é importante impulsionar os sites de computação de borda local.

Resiliência nos sites da Edge Computing é um requisito crítico

Por que a resiliência em sites de Edge é tão importante? Em ambientes de TI híbridos modernos, o Edge Computing cria uma ponte de alto desempenho para nuvens públicas e privadas, data centers corporativos co-localizados e implantações de TI no local.

A razão pela qual as implantações de Edge Computing são necessárias tem a ver com a natureza imediata dos aplicativos em ambientes de IoT. Estamos falando de aplicativos que exigem processamento e análise em tempo real, como o banco móvel e o monitoramento de dispositivos de assistência médica. Em ambos os casos, a latência nas transmissões de dados pode ser seriamente problemática.

Se os dados desses aplicativos tiverem que percorrer todo o caminho até uma infraestrutura de nuvem em algum lugar, estarão sujeitos à latência. É por isso que, em vez de depender de ambientes de nuvem centralizados para IoT, as organizações estão construindo sites de Edge Computing muito mais próximos de onde os dados precisam ser processados ​​para uma ação imediata.

A mudança para implantações de TI descentralizadas

O surgimento do Edge Computing é apenas um em uma série de oscilações pendulares para implantações de TI. Inicialmente, o TI era centralizado, com o mainframe no centro de tudo. Mais tarde, o processamento foi descentralizado e substituído por um modelo de cliente / servidor distribuído que ajudou a reduzir custos e aumentar a escalabilidade. Mas essas redes continuaram crescendo, muitas vezes de formas desordenadas que adicionavam custos, complexidade e desafios de gerenciamento.

Na última década, a maré voltou-se para um modelo centralizado, já que as nuvens baseadas em ambientes virtualizados substituíram os servidores físicos, oferecendo melhor escalabilidade e flexibilidade e custos mais baixos. Agora, à medida que a IoT toma conta, a centralização é limitada no suporte à aplicativos para os quais a nuvem não foi projetada.

A nuvem foi conceituada para aplicativos específicos, como e-mail, aplicativos de produtividade e comunicações. As aplicações eram binárias e o desempenho não era uma consideração importante. Ou eles estavam disponíveis ou não. No mundo da IoT, o desempenho é fundamental para funções como salas de adaptação inteligentes e realidade aumentada em locais de varejo, salas de operação conectadas e leitos inteligentes em hospitais, serviços bancários móveis e direção autônoma.

Esses aplicativos são diferentes daqueles desenvolvidos para a nuvem de várias maneiras:

  • Maior exigência de largura de banda
  • Menores requisitos de latência
  • Regulamentos mais rigorosos relativos ao gerenciamento de dados do cliente

Maior necessidade de monitoramento remoto de sites de Edge Computing

Para aumentar a resiliência em sites de Edge Computing, que normalmente não têm pessoal e muitas vezes são implantados de maneira ad hoc, as organizações precisam entender três imperativos que ajudam a minimizar o tempo de inatividade:

  • Gerenciamento de site remoto
  • Segurança física
  • Implementação padronizada e redundante

Acesso ao Edge Computing Resources

A APC by Schneider Electric oferece soluções que são ideais para sites de Edge Computing porque abordam todos os três pilares. Ao implantar essas soluções de gerenciamento remoto, as organizações garantirão que seus sites de computação de ponta não se tornem o elo mais fraco em seu ambiente de TI e, em vez disso, ganhem certezas em um mundo conectado. Para saber mais sobre as soluções de Edge Computing, consulte nossa página de soluções de Edge Computing, que inclui white papers, vídeos e muito mais para ajudá-lo a explorar as opções para sua empresa.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)