Cidades Inteligentes

Casa inteligente: 5 razões para investir nessa tendência

Se você acompanha as tendências tecnológicas na arquitetura, já deve ter ouvido falar em casa inteligente. A ideia é controlar diferentes ações com a ajuda de dispositivos móveis para trazer mais facilidade e praticidade ao dia a dia dos moradores.

Para realizar esses projetos, é preciso ter cuidado e atenção aos detalhes desde o início, porque é necessário instalar pontos elétricos. Apesar disso, essas iniciativas trazem requinte, conforto e segurança.

Esses são apenas alguns dos motivos para investir nas smart houses. Existem muitas outras razões, como veremos neste post. Confira!

O conceito de casa inteligente

As casas inteligentes são dotadas de sistemas avançados de automação. Com eles, é possível monitorar e controlar diferentes funções e conectar dispositivos. Para alcançar esse patamar, é preciso utilizar recursos da Internet das Coisas, a fim de integrar equipamentos e aumentar a praticidade e a facilidade do dia a dia.

Segundo a arquiteta Fabiana Teixeira, “essas tecnologias vêm para dar mais conforto e liberdade. Além disso, não deixa de ser um luxo e um conforto ter toda essa tecnologia a seu favor”. Mais que isso, o importante é que os dados coletados por equipamentos são compartilhados com os dispositivos por meio da rede.

Desse modo, o morador consegue acompanhar tudo o que acontece, por exemplo, com a ajuda de câmeras e um sistema de movimentações da casa. Também é possível acionar a abertura das cortinas de forma automática ou receber um aviso de quando falta um iogurte na geladeira.

Existem várias possibilidades para colocar essa ideia em prática. No entanto, é preciso que o cliente esteja disposto a ter uma casa inteligente, porque há custos agregados, além do interesse, critério e necessidade de cada um. Por isso, é fundamental prever os detalhes durante a fase de projeto para evitar retrabalho e custos extras.

5 motivos para investir em uma casa mais inteligente

A automação residencial é o primeiro passo para tornar a casa mais inteligente. Dessa forma, é possível ter o controle de qualquer lugar, ainda que não esteja em casa. Para isso, é preciso contar com aparelhos específicos.

A partir de agora, vamos citar as principais vantagens de investir em uma casa inteligente. Veja!

1. Aumento da segurança

Os recursos de segurança fazem parte das smart houses. Um deles é o controle de acesso por biometria. A ideia é monitorar quem entra e sai por meio da digital, que permite implementar o chamado sistema smart lock, ou fechadura inteligente.

Essa mesma tecnologia favorece a abertura da porta com o celular. Nesse caso, o morador ativa o comando mesmo longe de casa, por exemplo, para que o seu filho acesse a residência. Assim, fica praticamente impossível alguém não autorizado burlar o sistema.

Por outro lado, ainda é possível contar com câmeras automáticas. Apesar de não serem exclusivas das casas inteligentes, esse dispositivo, quando espalhado por todo o imóvel, favorece o acompanhamento de movimentos, mesmo que o proprietário esteja longe.

Por fim, ainda existem o sistema de alarmes sem fio. Ele é instalado a partir da implementação de sensores de presença e de abertura em portas e janelas. É preciso também escolher um lugar para a central e ajustar o volume das sirenes. O restante é executado diretamente pelo smartphone.

Perceba que o aumento da segurança ocorre também pela integração desses dispositivos. Os alarmes eletrônicos e os sensores para acendimento das luzes aumentam a mobilidade e trazem economia. Eles ainda facilitam a visualização dos movimentos pelas câmeras para ter certeza do que ocorre sem estar presente no local.

O proprietário do imóvel ainda pode programar os sistemas para enviarem notificações quando uma situação atípica ocorrer. Por exemplo, sempre que uma porta for destravada ou um alarme ou sensor for acionado. Em outras palavras, a smart house depende dessa integração muito mais do que dos recursos que funcionam em separado.

2. Crescimento da funcionalidade e renovação dos ambientes

O objetivo de morar em um ambiente tranquilo, bonito e confortável é geral, mas nem sempre as casas são funcionais. A automação proporcionada pelas casas inteligentes alcança esse propósito — e isso pode ser verificado a partir de situações simples.

Um exemplo é a definição de cenários de iluminação, de acordo com o que o morador pretende fazer. Se a pessoa deseja assistir à TV, por exemplo, as luzes são reduzidas para evitar que o brilho do equipamento seja ofuscado. Se a intenção é jantar, elas ficam acesas, mas é possível programar para ficarem em meio-termo, caso o propósito seja ter uma refeição romântica.

O controle é feito por smartphones, comando de voz ou hub inteligente. Com a iluminação inteligente, as luzes ainda são conectadas e controladas de forma remota. Isso já é possível com os variadores de luminosidade, que permitem ajustar o nível de luz, e com os detectores de movimento, que trazem economia.

Ao mesmo tempo, também aumenta o conforto pelo ajuste pré-programado de temperatura. Com ele, o ar-condicionado é acionado quando o proprietário ainda está longe de casa ou deixa registrado a sua ativação para determinado horário. Quando chegar na residência, já está com um clima agradável.

Os termostatos programáveis executam essa função. Quando adicionados aos seus projetos, eles agregam valor, inclusive pela redução de gastos. Como? O equipamento pode ser direcionado para que os ambientes voltados para o norte usem menos energia que os dirigidos para o sul.

Lembre-se, ainda, de que a integração também é válida nesse caso. Basta unir o ar-condicionado à iluminação para fazer uma regulação conjunta e fácil de manusear.

3. Elevação do conforto e bem-estar

Os estados do Sul do Brasil, especialmente, são bastante frios. Então, que tal oferecer mais conforto por meio do aquecimento de piso? Em uma smart house, o morador regula a temperatura conforme o ambiente. Assim, o local que recebe mais raios solares — e, por consequência, fica mais quente — usa menos energia.

A ativação é feita com um controle único, que também é integrável à iluminação e à temperatura do aquecedor e/ou do ar-condicionado. Aqui também entram os termostatos, a fim de garantir uma climatização equilibrada em toda a residência.

4. Praticidade com os eletrodomésticos inteligentes

A gama de opções de eletrodomésticos inteligentes já é grande. Máquinas de lavar, secadoras, geladeiras e outros itens facilitam o dia a dia por meio de funcionalidades práticas. É o caso de deixar o pão de queijo no forno sem ativar o aquecimento e acionar o equipamento a distância para ter a comida quentinha quando chegar em casa.

Outro exemplo é cadastrar os alimentos perecíveis na geladeira para receber o aviso de quando a data de vencimento estiver próxima. No mesmo eletrodoméstico, é possível organizar a lista de supermercado e cadastrar receitas para acesso rápido.

5. Integração de dispositivos

O alcance de todos os recursos proporcionado pelo conceito de smart houses é obtido pela integração — você deve ter percebido na leitura do post. Por isso, é preciso ter aplicativos de automação residencial. Os aparelhos são conectados a uma central, que pode ser um app do smartphone.

Dessa forma, é criado um ecossistema de conectividade, a fim de trabalhar todos os aspectos de maneira conjunta. Como destaca a arquiteta Fabiana Teixeira, “a maior vantagem da casa inteligente é a segurança e a integração dos conteúdos. Eu tenho o controle de qualquer lugar, não preciso estar em casa para que ela seja automatizada. Tudo é feito com apenas um toque”.

Percebeu como vale a pena investir em projetos de casa inteligente? Por meio de ações integradas, é possível alcançar um patamar de conforto e bem-estar mais válido. Basta contar com os sistemas de automação corretos e um parceiro estratégico e confiável, como a Schneider Electric.

Agora que você já entende como funciona a casa inteligente e de que maneira adotar esse conceito nos seus projetos, que tal conhecer outras dicas? Curta a nossa página do Facebook e confira!


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)