Arquitetura

A saga da Casa 3.2

Somos acostumados a termos nossos limites testados em cada projeto, isso faz parte do cotidiano de um arquiteto, mas as vezes esses desafios são bem maiores e mais complexos do que podemos imaginar, e assim foi com a Casa 3.2, um projeto residencial que nos tirou completamente da zona de conforto e exigiu o nosso máximo em cada ambiente, eis os motivos desse desafio ser tão único:

– Tamanho da casa: 3.200m².

– Ambientes “específicos” e incomuns (até certo ponto para uma residência) como: Pub, Bunker, Cinema, Sauna, SPA, Ofurô e Academia.

– Tempo de projeto: Precisávamos liberar a obra em 20 dias para atender a necessidade do cliente.

– Localização: Casa envolvida pela natureza, abrindo-se para a mata virgem de Aldeia – Pernambuco.

Desafio topado, programa de necessidades de cada ambiente levantado, briefing absorvido, exigências listadas, topografia + altimetria realizadas… Tínhamos todos os elementos necessários para iniciarmos o projeto.

Após um período de imersão com a equipe, definimos nossas premissas: A Casa precisa ser tão impactante quanto o seu tamanho e o seu programa. Cada ambiente projetado causasse uma sensação única nos moradores e convidados e que reunisse soluções que combinassem tecnologia, estética, design e funcionalidade!

Somamos as nossas premissas básicas com um ponto inegociável: Que a Natureza fosse protagonista! A casa precisava sempre ter vista para o verde e que o verde invadisse sem pedir licença. Ela teria que ser posicionada de forma a respeitar a topografia da forma mais natural possível.

Buscando cortar o mínimo possível do terreno natural optamos por fazer os pavimentos: Adega + Garagem / Pub + Térreo + Superior + Spa / Academia + Ofurô (na tampa da laje – pavimento ático), sendo a garagem acessada pela cota original do terreno, ficando em uma face do terreno subsolo e em outra face semienterrada.

Todo o pavimento térreo é em conceito aberto, amplo e integrado com a vista da piscina e a paisagem verde. Todos os ambientes são conectados e integrados: Salas de estar, sala jogos, sala jantar, bar, piano bar, sala de TV, e mirante.

Nosso mood de revestimentos e escolhas foi pensado literalmente fora da caixa. E para isso o pavimento térreo é dividido 50% preto e 50% branco, tanto no revestimento de piso, como nas cores das paredes, armários, mobília e no encontro das cores um perfil de LED que “rasga” o chão.

Abaixo do térreo, projetamos um PUB com uma pegada industrial, que abusa de elementos brutos como laje aparente, grades, vergalhões, e pedras… Causando impacto a todos com o contraste causado pela bancada em quartzo, perfis de LED, neon e um carro no interior do espaço.

Ainda no PUB, com acesso a piscina e a um deck privativo, tem mais um acesso, descendo para a Adega, um espaço subsolo e intimista que fica localizado no “entre Deck” da piscina, obtendo o máximo de aproveitamento dos espaços. Nesse ambiente optamos por não utilizar iluminação de cima (upligth) e para aumentar a experiencia no espaço, toda a iluminação se dá através de 40 balizadores embutidos no piso de concreto polido rustico e uma adega feita em vergalhões enferrujados localizada abaixo da escada, aproveitando o vão ao máximo.

Nos pavimentos superiores, todos os ambientes priorizam atender ao estilo arquitetônico de cada usuário dos quartos, bem como a funcionalidade do ambiente, o que reflete nas escolhas dos layouts, revestimentos, acabamentos e decoração.

 

Cada quarto tem seu closet e banheiro privativo e todos abrem para o hall do elevador e escada que dão acesso ao cinema, feito com 3 desníveis internos e uma tela de 400 polegadas com projeção 4K e sistema de som 3D. O destaque desse ambiente vai para a Suíte Master e para a casa de banhos, com o teto 100% de vidro e o box aberto para “chover dentro” a pedido do cliente.

Acima desse pavimento temos o SPA, composto por sauna, academia, massagem, salão de beleza e banheira, buscando a integração máxima com a natureza. Utilizamos piso em madeira e uma pele de vidro que circula todo o pavimento abrindo para o verde!

Como falado inicialmente, precisávamos liberar a obra em 20 dias, para não comprometer o planejamento e cronograma do cliente. Para isso “quebramos” o projeto em fases que se complementariam. No pré-executivo focamos em aprovar todos os  layouts com o cliente e confeccionar uma planta técnica, cotada e com níveis definidos. “Travamos” essas decisões para que não pudessem ser modificadas no futuro.

Compatibilizamos a arquitetura pré-executiva com o lançamento estrutural e a fundação/geotecnia, e com isso liberamos toda a escavação, fundação profunda, concretagem de blocos, baldrames e arranques de pilar, o corte do talude e estabilização com uma cortina de pilares. Enquanto a obra evoluía, transformamos o pré-executivo em Executivo, ja contemplando todas as disciplinas e compatibilizamos com as empresas de complementares. Posteriormente fizemos os detalhes pontuais (bancadas, marcenaria, etc.).

 

 

 

 

E ai?! Toparia o desafio de projetar uma casa de 3.200m²?!

 

 

 

 

 

Post assinado por @jparquitetura

 

Quer estar sempre por dentro de todas as novidades? Clique aqui e faça parte da nossa base. Seja um de nossos Arquitetos parceiros e receba conteúdos exclusivos.


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)