Arquitetura

Como proteger a rede elétrica e torná-la mais segura?

Em projetos arquitetônicos, a parte elétrica traz sempre uma preocupação especial, uma vez que a tarefa é delegada a um parceiro eletricista e, na maioria das vezes, não é possível opinar no projeto elétrico com tanto conhecimento de causa. Não é mesmo?

Quando o assunto é proteger a rede elétrica em seus projetos é importante contar com toda a segurança possível, para que o cliente não sofra com nenhum problema após a entrega do imóvel. Então, nada melhor do que entender um pouco mais sobre o tema para não ficar tão dependente do poder de fala do profissional específico da área.

Neste post, você vai entender, de uma vez por todas, quais são os fatores que podem gerar riscos para as redes elétricas, bem como a importância do acabamento da fiação para a segurança e a proteção das pessoas e dos equipamentos ligados à energia. Ainda vai aprender como se precaver desses infortúnios com melhores práticas e compreender o papel do arquiteto nesse processo. Confira!

Fatores de risco na rede elétrica

Alguns detalhes fazem toda a diferença na hora de executar um projeto. Para que tudo fique impecável e não haja nenhum problema posterior, principalmente relacionado à rede elétrica, é fundamental eliminar de vez:

  • tomadas desprotegidas;
  • fiação aparente e exposta ao tempo;
  • circuitos acumulados em um só;
  • mau dimensionamento da fiação.

Os erros mais comuns são os primeiros citados e eles são inaceitáveis em um bom projeto elétrico. Com certeza, fiações expostas também não passam pelo crivo de um projeto arquitetônico caprichado! Agora, sobre as tomadas desprotegidas, esse é um problema recorrente e que deve ser prevenido a todo custo, principalmente se existem crianças e animais de estimação na residência.

No entanto, um dos fatores que mais causam riscos à rede elétrica e à segurança das pessoas tem relação com o mau dimensionamento da fiação. Para entender melhor, pense nela como uma tubulação que, em vez de água, passa energia. Então, se um equipamento precisar de mais energia elétrica e a fiação estiver desproporcional, ele vai puxar mais e, consequentemente, a pressão mais alta causará calor e derretimento da borracha, ocasionando curto circuito e comprometendo todo o sistema elétrico.

Além do mau dimensionamento da fiação, o dos disjuntores também causa muitos acidentes nas redes elétricas. Para economizar, alguns projetos colocam apenas um disjuntor para a casa inteira, por exemplo. Com relação aos circuitos, no caso, é preciso separar um para cada finalidade: iluminação, tomadas de uso geral e tomadas de uso específico.

Nas indústrias, se uma única máquina precisa de uma tomada, ela terá uma somente para ela. Nas residências, além de não haver essa cultura, as pessoas ainda sobrecarregam o sistema utilizando um T. Então, se for possível comprar três tomadas em vez de uma — para depois colocar ali um T —, prefira comprar as três entradas. O padrão brasileiro de tomadas é seguro, mas os usuários teimam em prejudicar essa segurança usando o acessório, que de tão prático, engana.

O papel do arquiteto na segurança das redes elétricas

Não é só o eletricista que deve ficar responsável pela parte elétrica do projeto. Apesar de a rede elétrica ser um serviço a mais nas plantas de layout ou nas plantas baixas, o arquiteto pode, sim, desempenhar um importante papel na melhoria da segurança da rede de eletricidade do seu cliente.

Uma dica simples é, na hora de realizar o projeto, já especificar a disposição das tomadas em cada cômodo — onde ficarão determinados eletrodomésticos, como a geladeira, o fogão, a televisão etc. Para ajudar na tarefa, vale ressaltar a norma NBR 5410, que determina quantas tomadas devem ser colocadas em determinado perímetro e quais são os limites de afastamento entre elas e demais elementos da construção e da mobília.

Porém, o perigo mora aí: o arquiteto (e até mesmo o engenheiro), costuma adicionar tomadas nos projetos seguindo apenas a norma e se esquecendo das necessidades do usuário. Por isso, é essencial pensar estrategicamente para não inutilizar uma tomada que fica atrás do sofá e sobrecarregar a outra que fica perto da televisão. Além disso, tomadas escondidas dessa maneira são um prato cheio para iniciar um incêndio, uma vez que estão bem próximas dos móveis.

Portanto, além de seguir as normas, é preciso pensar nas pessoas e usar o bom senso para que a segurança da rede elétrica seja, de fato, otimizada.

Como escolher os materiais mais seguros para rede elétrica

Agora que você já sabe o que fazer e consegue identificar os principais riscos de uma rede elétrica, é primordial escolher os melhores materiais para a execução do projeto. A qualidade do produto vem em primeiro lugar e é preciso saber que, para cada função, uma tomada diferente deve ser considerada.

Quer um exemplo? Para ligar um ventilador, uma TV ou um aparelho de DVD, você vai precisar de uma tomada de uso geral. Porém, para uma cafeteira ou uma churrasqueira elétrica, será necessária uma tomada de uso específico. O que você pode fazer é determinar os lugares em que haverá a necessidade desses itens para que o cliente não corra o risco de sobrecarregar a rede elétrica de sua casa, forçando a amperagem.

Além do layout arquitetônico, é totalmente possível oferecer um serviço elétrico adicional para auxiliar a pessoa com o orçamento dessa parte, considerando a especificação de cada caso. O motivo é simples e podemos dar um exemplo: se você compra uma tomada de 10 amperes e força seu uso para um equipamento que precisa de 20 amperes, certamente o resultado não será muito bom — não só a rede elétrica, mas o aparelho e a segurança de todas as pessoas estarão em risco.

Sobre a compra de produtos de qualidade duvidosa, é preciso cuidado redobrado. O interruptor, dando outro exemplo, por mais simples que seja, se não for de boa qualidade pode causar danos no funcionamento da rede. Qualquer um liga ou fecha o circuito, mas, ao acender a lâmpada com um produto ruim, o contato interno poder fechar, causando um arco voltaico que cole os contatos. Ou seja, a grosso modo, se a pessoa aperta o interruptor, ele não vai desativar corretamente e o risco de choque elétrico é eminente.

O acabamento também influencia na segurança da rede elétrica

Você se lembra da parte em que citamos a importância do acabamento da fiação? Se ele não for feito corretamente, prejudicará toda a rede elétrica e, inclusive, a construção em geral. Isso porque, se um pedreiro amassa a tubulação ou corta a parede e os fios não estão cobertos corretamente, ele vai romper a rede que já foi feita. Logo, será preciso trocar toda a instalação, causando um reparo desnecessário e cheio de transtornos.

Por isso, nunca se esqueça de auxiliar o seu cliente a contratar um projeto completo e feito por alguém que realmente entenda do assunto, para que a instalação elétrica não seja feita pelo próprio pedreiro, por exemplo. Só o profissional especializado é capaz de realizar toda a rede com atenção, capricho e dando o acabamento correto nos fios, nos circuitos e demais partes.

Sobre as áreas externas, ainda vale lembrar que o contato com a chuva ou com a exposição solar pede um índice de proteção (IP) do equipamento que ficará do lado de fora da casa. Logo, oriente o cliente a optar por produtos com IP alto para esses casos. No mais, o usuário também deve sempre desligar os aparelhos ao deixar o ambiente para evitar os acidentes elétricos, por mais que ele julgue a sua instalação bem-feita e segura.

Agora que você já sabe como proteger a rede elétrica dos seus projetos e deixá-la mais segura, aproveite para seguir as nossas redes sociais para ficar por dentro de todas as novidades. Estamos no Facebook e no Instagram!


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)