Arquitetura

Como fazer gestão de fornecedores para escritórios de arquitetura

 

Mesmo que seu projeto arquitetônico esteja impecável, grande parte da satisfação do cliente é alcançada apenas quando ele vê a obra concluída, com tudo no lugar. É quando cada revestimento está aplicado, a pintura está pronta e o acabamento finalizado que ele vai entender de fato o trabalho que você realizou, não é?

Para que tudo isso saia conforme o planejado, é essencial que o escritório de design de interiores ou de arquitetura faça uma boa gestão de fornecedores. Afinal, eles são os responsáveis por entregar materiais de qualidade e concretizar o projeto que você idealizou.

Bianka Mugnatto

Entrevistamos a designer Bianka Mugnatto, do escritório Interart Design de Interiores, fundado na década de 80 e primeiro do segmento a receber o selo ISO 9001 no Brasil, para saber o que ela pensa sobre o assunto e dar algumas dicas preciosas para você.

Se quer aprimorar sua gestão, escolhendo os melhores fornecedores e mantendo um relacionamento infalível com eles, continue a ler este post!

Como escolher os melhores fornecedores?

Bianka sabe bem que um designer de interiores precisa estar atento a muitos detalhes. Por isso, é necessário conhecer fornecedores confiáveis que cuidem de cada um deles.

Na perspectiva dela, avaliar bem quatro critérios é fundamental para saber se um fornecedor é confiável:

  • qualidade do produto;
  • diversidade de estilo;
  • atendimento pós-venda;
  • preço justo.

Veja a seguir o que ela considera mais importante sobre cada um deles.

Qualidade do produto

“Eu só especifico produtos nos meus projetos se o fornecedor me der garantia de que eles terão desempenho e segurança”, diz Bianka.

Ela está sempre de olho na qualidade. Com experiência, os profissionais naturalmente percebem quais são os fabricantes e fornecedores mais qualificados.

Um critério objetivo em que você pode confiar, para a designer de interiores, é se o fornecedor informa o índice de desempenho dos produtos para atender à Norma de Desempenho 15575 da ABNT, criada em 2013 para padronizar a qualidade de edificações.

Além disso, ela prefere fornecedores certificados com ISO 9001, já que o próprio escritório dela recebeu o selo. “Não vou exigir a certificação de quem me fornece uma almofada, mas é importante para fornecedores de produtos como piso e gesso, por exemplo”, diz.

Diversidade de estilo

Para Bianka, um dos grandes desafios dos arquitetos e designers de interiores hoje em dia é entender bem a personalidade dos clientes e entregar projetos realmente personalizados.

“Eu percebo que as pessoas querem ser identificadas como únicas”, acredita.

É por isso que o escritório que ela comanda, o Interart Design de Interiores, faz uma análise profunda dos clientes antes de entregar o projeto. Por meio de uma plataforma online e de uma metodologia própria, os clientes respondem a dezenas de questões para indicar exatamente o que combina com eles.

“O nosso critério de gestão de projetos de interiores é absolutamente pontuado pela observação do comportamento de quem vai morar. Assim, o cliente tem um projeto que vai durar 20, 30 anos. “Eu olho até a unha da minha cliente para ver que tipo de maçaneta vamos utilizar”, diz Bianka.

Para personalizar os projetos nesse nível, é preciso contar com fornecedores que atendam a diversos estilos, estejam atentos às tendências do mercado e inovem constantemente.

Bianka cita os interruptores Orion You, da Schneider Electric, como um produto que permite essa adequação a qualquer visual, pois podem ser customizados com estampas de diferentes texturas e desenhos, e assim não precisam ser trocados em uma eventual nova reforma.

Atendimento pós-venda

Não basta você ter os melhores fornecedores: os seus clientes precisam poder contar com eles também, se necessário. Portanto, checar como é o atendimento de pós-venda dos parceiros é indispensável.

Para Bianka, o maior erro que um fornecedor pode cometer é justamente ter um atendimento pós-venda ruim. Por isso, ela pesquisa bem o que eles oferecem aos clientes após a compra e se certifica se trocariam peças danificadas caso seja necessário, por exemplo.

Ela prefere fornecedores com uma boa estrutura e que são bastante conhecidos no mercado. “Eles precisam passar segurança”, defende.

Preço justo

Bianka reconhece que o menor preço nem sempre é a melhor opção. “É com a qualidade e com a sustentabilidade que eu tomo maior cuidado”, explica.

Na perspectiva dela, a avaliação do preço se relaciona principalmente a fatores como qualidade e sustentabilidade. Segundo Bianka, um produto realmente sustentável garante durabilidade, e se mantém conservado muito tempo depois da instalação.

Não adianta o preço ser muito baixo. Se o produto não atender aos parâmetros de qualidade que ela utiliza no escritório, prefere não indicá-lo aos clientes.

Como manter um bom relacionamento com os fornecedores?

O gerenciamento de fornecedores para escritórios de arquitetura também inclui manter um bom relacionamento com eles. Isso significa trabalhar apenas com um fornecedor para cada tipo de produto? Para Bianka, não.

“Quem fideliza é o meu cliente”, diz ela. Quando ela especifica itens de qualidade que agradam ao cliente, a chance de que ele queira itens daquele fornecedor quando fizer uma nova reforma ou que o indique a amigos interessados é grande.

Como trabalha com projetos e clientes de diversos estilos, Bianka explica que não consegue manter um só fornecedor parceiro para cada item, mas sabe quem são os melhores para todas as demandas.

Ela ressalta que o relacionamento com o fornecedor segue o princípio de qualquer relação: “É uma via de mão dupla. A partir do momento em que temos segurança nos quatro quesitos que citei, é interessante para nós mantê-lo por perto”.

Depois dessas dicas sobre gestão de fornecedores para escritórios de arquitetura e design de interiores, que tal conhecer melhor alguns deles? Siga a gente nas redes sociais e conheça as nossas opções de interruptores, disjuntores e mais: estamos no Facebook e no Instagram!


No Responses

Leave a Reply

  • (will not be published)